Selecione o tipo de erro abaixo

Acabou sendo o oposto do que estava na carruagem um tempo atrás.

Eu estava envergonhada, e, ao contrário, Perez sorria despreocupadamente com uma atitude que parecia estar gostando da situação.

Naquele momento, senti emoção, então me virei e olhei ao redor do quarto novamente.

Mas isso não significa que a cama que não existia de repente apareceria.

Eu não posso acreditar, Violet!

Foi a Violet quem cuidou do transporte e acomodação para essa jornada.

‘Não importa o quanto seja a camuflagem de um casal recém-casado!’

Como assim, só uma cama?

Quando eu era mais nova, houve momentos em que adormeci na mesma cama que o Perez.

Porque estou em uma posição completamente diferente agora.

— … okay. Para culpar alguém.

É tudo culpa minha.

Para Violet, que perguntou como preparar uma identidade falsa, eu disse a ela em voz alta, ‘Gostaria de um casal recém-casado.’

Então, é claro, ela deveria ter pensado que a acomodação seria preparada para os recém-casados.

Foi quando suspirei assim.

— Devo entrar.

Perez levantou gentilmente suas bolsas com as duas mãos e então entrou no quarto.

Não houve hesitação.

— … eu te odeio.

Fui forçada a seguir Perez e murmurei para as costas dele.

O quarto era bastante espaçoso, embora não fosse particularmente colorido ou bonito, era agradável e satisfatório.

Concordei com a cabeça um pouco e tentei não olhar muito para a cama.

No entanto, para onde foi a atitude significativa dele de um tempo atrás? O rosto de Perez com uma leve careta entrou nos meus olhos.

— O que houve?

— A acomodação… está tudo bem, Tia?

— Você tem medo de eu não gostar do quarto?

— Porque este é um lugar mais comumente usado por pessoas comuns.

— Não podemos evitar, já que nossa camuflagem é de um casal comum viajando para o leste em lua de mel.

Disse, pressionando meu dedo na testa franzida de Perez.

— Você acha que sou exigente assim?

Então Perez respondeu, segurando gentilmente minha mão.

— Mas, Tia, você nunca dormiu em um lugar assim antes.

Agora eu sei do que Perez está preocupado.

Perez sabe que nunca saí da mansão Lombardi.

Na melhor das hipóteses, ele pensaria que era apenas a experiência de ir para o norte pelo trabalho do Ivan.

— Não me importo. E isso é ótimo.

Comparado com a casa esfarrapada que aluguei na minha vida anterior, este quarto é nada menos que um palácio.

— Você está bem com isso, Perez?

Ele também é o imperador.

— Quando estava na Academia, muitas vezes eu era sem-teto enquanto viajava.

Perez disse isso e passou a mão no meu cabelo levemente.

Quando a conversa acabou, o clima ficou tenso em pouco tempo.

Uma mão segurada por Perez parecia particularmente quente, e o som do cara varrendo minha cabeça parecia sufocar.

Puxei apressadamente minha mão e me virei.

— Uau, vamos dar uma olhada antes que o sol se ponha completamente!

Depois de abrir a porta às pressas e correr um pouco, ouvi um pequeno risinho atrás de mim, e Perez rapidamente me seguiu.

— Vamos juntos.

Era uma voz cheia de riso, que você podia ver a expressão sem olhar.

O nome desta cidade onde estamos hospedados hoje é Magnus.

Localizada na extremidade sul do domínio Lombardi, eu me orgulhava de saber muitas coisas sobre Magnus, incluindo números de população, área, principais produtos e o tamanho dos impostos.

— Uau. A estrada é realmente lindamente pavimentada aqui!

No entanto, depois de pisar no chão, Magnus era uma cidade muito mais bonita e vibrante do que eu esperava.

— Mesmo o sol se pondo, o mercado ainda está de pé. Bem, o relatório disse que era uma cidade muito segura.

Foi muito divertido conferir as informações que eu tinha na cabeça uma por uma com meus próprios olhos.

Ao lado de mim, olhando ao redor do mercado perto da hospedagem dessa maneira, Perez caminhava silenciosamente com as mãos atrás das costas.

— É uma viagem que acabei de fazer, mas eu realmente gosto.

Disse, olhando para trás no caminho que percorri em direção ao final do mercado.

— Agora que vejo as pessoas do meu domínio com meus próprios olhos, sinto que preciso trabalhar mais.

As pessoas locais vivendo um dia animado em uma cidade próspera.

Eles também eram as pessoas que eu tinha que proteger.

— Por falar nisso, é minha primeira vez viajando. Eu estava com pressa quando fui para o Ivan, então não pude dar uma olhada.

Sorri para Perez e disse um cumprimento um pouco atrasado.

— Obrigada por aceitar meu pedido e por vir comigo.

— Tia.

Perez chamou meu nome com uma voz muito mais baixa que o normal, consciente do ambiente ao redor.

Então ele estendeu a mão e acariciou minha cabeça gentilmente.

— A qualquer hora.

Eu não odeio o toque afetuoso.

— Se houver algo que eu possa fazer por você, a qualquer momento. É um prazer.

— … não pode ser.

Não consigo acreditar que ele disse isso olhando diretamente para o meu rosto assim.

O cara que não tem vergonha.

Quando virei meus olhos, Perez riu baixinho.

— Magnus tem uma praça bonita. Vou te mostrar.

— Você já esteve aqui antes?

— Porque viajei muito para o Sul.

Perez estendeu a mão para mim.

Segurei sua mão sem hesitação.

À medida que o sol se põe, chegamos à praça enquanto respiramos o ar mais fresco da noite.

— Uau, realmente. A praça é bonita!

A praça arrumada coberta por tijolos marrom-avermelhados que mantêm os vestígios dos anos lindamente sob o brilho do pôr do

sol era revigorante.

Em particular, a grande estátua no meio chamava a atenção.

Um homem bonito na casa dos trinta anos estava sentado em uma cadeira, e um nome familiar estava escrito sob a estátua, que parecia ter sido preservada ao parar o tempo.

Lulac Lombardi

— Assim, pareço muito com meu avô. Não acha?

A aparência jovial do meu avô também me fascinava.

Perez, com um rosto tão surpreso quanto o meu, respondeu lentamente à minha pergunta, balançando a cabeça.

Foi então.

— Oh, uh!

Uma criança, parecendo ter cerca de quatro ou cinco anos, correndo ao nosso lado, estava prestes a tropeçar em algo.

Quando me virei na direção, uma mão surgiu do nada e abraçou o pequeno corpo da criança com força.

Era o Perez com quem havia conversado há pouco tempo.

— Uung…

A criança deve ter se assustado por quase cair e chorava como se estivesse prestes a explodir em lágrimas.

— Cuidado.

Até que Perez deu tapinhas em suas costas, dizendo isso.

Os olhos da criança se arregalaram quando olhou para cima, para o rosto do adulto que o acalmava, e brilharam como se tivesse visto algo estranho.

— Garotinho, você está bem?

Quando me aproximei e falei com ele, dessa vez ele olhou para o meu rosto e mostrou rubor nas bochechas.

— Oh, garoto! Você estava cheio de energia hoje.

— Vovó!

— Timmy, você não pode correr assim sozinho! Você quase se machucou.

A avó da criança se aproximou e nos disse com um sorriso.

— Obrigada.

— Não. Embora a praça seja bonita, há um lugar onde o chão está quebrado, então parece que vai precisar de algum conserto. Talvez o Timmy tenha se machucado nessa pedra também.

— Oh, isso foi por pouco.

Quando eu voltar para a mansão, vou mandar consertar esta praça.

Foi quando eu estava olhando ao redor da praça de forma diferente, me perguntando se havia outros problemas.

— É um pouco antiga, mas é o orgulho do nosso Magnus. Não é legal?

— Sim. Ainda, meu marido… e eu estávamos falando sobre isso. Aquela estátua também é muito legal.

Sim, eu estou apenas fiel à minha identidade de camuflagem.

Confortei meu constrangimento, passando por cima das palavras desconfortáveis.

— É o Lorde Lulac, que governou os Lombardi. É graças a ele que Magnus, que era apenas uma cidade pequena quando eu era jovem, se tornou uma cidade tão grande.

A avó de Timmy disse com um sorriso orgulhoso.

— Quando eu tinha a idade da jovem dama, o Lorde Lulac veio aqui e todas as mulheres da vila estavam empolgadas com o quão bonito ele era.

— Haha, entendo.

— Não estou brincando, ele era tão bonito, com um brilho de aura!

Como se voltasse a ser mais jovem, a avó sorriu como uma menina em algum lugar.

— O motivo pelo qual vivi sem muitas preocupações foi por causa do bom controle do Lorde Lulac sobre a propriedade. Ouvi dizer que sua neta, a nova senhora Lombardi, também é uma pessoa ótima. Vocês dois não sabem nada sobre ela?

— Ah… haha.

Foi quando eu hesitava porque estava constrangida para elogiar a mim mesma.

— A nova senhora Lombardi é uma pessoa maravilhosa. Ela valoriza a terra e as pessoas de Lombardi.

Perez respondeu em vez de mim com um sorriso leve.

Foi uma maneira gentil e uma voz que normalmente não se esperaria de um homem frio e duro ao lidar com nobres.

— Oh, bom, que alívio. Nosso Timmy pode viver sem preocupações. Meu neto mais velho voltou recentemente de Lombardi, e ele viu a nova senhora saindo da carruagem à distância.

Susto.

Meus ombros tremiam ligeiramente sem eu perceber.

— Como ele pode elogiá-la tanto que a boca fica gasta? Seu cabelo castanho comprido parece seda, especialmente os olhos verdes vibrantes são como sonhos. Meu neto se perguntou se alguém assim, mesmo se virar o rosto, é demais… hmm?

A velha, que estalou a língua enquanto contava a história sobre o neto mais velho, encarou meu rosto e parou de falar.

— Então a jovem dama também tem cabelos castanhos e olhos verdes? Mas será que já te vi antes?

— O quê? Ah, não. Eu sou nova em Magnus.

Por quê?

Porque me pareço com meu avô.

É uma estátua que ela viu por décadas, não é de se admirar que meu rosto lhe pareça familiar!

Virei o rosto para o lado e sorri desconfortavelmente.

— Bem, eu tenho um rosto meio comum!

— Não comum! Mesmo de longe, não é comum ver uma garota tão bonita. Espere um pouco. Onde será que te vi…

— Larita, devemos voltar para a hospedagem agora?

Perez perguntou, se intrometendo entre mim e a avó.

— Oh, sim! Isso seria ótimo!

Tenho que sair!

— Bem, vamos indo. Ei, Timmy. Prazer em conhecê-lo. Cuidado com o chão por enquanto!

Ele ainda olha para cima com olhos brilhantes.

Cumprimentei rapidamente Timmy e sua avó, que estava inclinando a cabeça, e virei as costas.

— Quase me dei mal.

Provavelmente ela não pensaria que a jovem que viajava era Lombardi.

É hora de ser cuidadosa.

Depois de voltar à hospedagem às pressas, abri minha bolsa e tirei o que Violet havia preparado.

Era um corante de cabelo em duas embalagens pesadas.

Coloquei para levar, caso precisasse.

A Violet é a melhor. Entreguei um dos corantes de cabelo que eu tinha na mão para Perez.

— Apenas por precaução, vamos ambos mudar a cor dos cabelos.

— Faz tempo, então me sinto estranho.

Minha cor de cabelo no espelho tinha se tornado preta.

Em um tempo, houve um período em que o cabelo preto era natural.

Parecia que eu estava me acostumando ao meu cabelo castanho cacheado.

Sequei e penteei bem o cabelo molhado.

— Porque meu cabelo fica preto, parece que meus olhos verdes se destacam mais.

Então, ouvi o som da porta se fechando do lado de fora do banheiro.

Era o som de Perez, que tinha tingido o cabelo, voltando do banheiro compartilhado.

‘Quero ver você logo!’

Na verdade, era uma decisão para a camuflagem, mas eu queria ver outro lado de Perez.

Me vesti rapidamente e saí correndo da porta do banheiro.

E lá,

— Ah.

O loiro Perez me olhava com um rosto como o de Timmy há pouco tempo.

Picture of Olá, eu sou o Babi.Bia!

Olá, eu sou o Babi.Bia!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥