Selecione o tipo de erro abaixo

E, no momento em que vi isso, algo apertou meu peito.

— Por que… você só acabou de chegar?

Lágrimas corriam sem parar.

— Desculpe. Desculpe.

Perez, encharcado de água da chuva e sujeira, repetia desculpas sem sequer entrar na sala de maternidade.

Mas acho que foi o suficiente.

Como se a tensão tivesse sido aliviada, a força em meu corpo se foi, e minhas mãos começaram a tremer.

Só então percebi o significado do que Shananet disse.

Ah, eu não estava bem.

Eu só estava segurando até Perez chegar.

— Estive esperando por você, Perez.

Cada vez que olhava pela janela dizendo que estava bem, estava esperando por essa pessoa vir.

Estella bloqueou a lacuna entre eu, que estava chorando muito, e Perez, que me olhava, parado como um prego.

— A porta não pode ficar aberta por muito tempo, então se prepare, Vossa Majestade.

— … voltarei já, Tia.

Perez manteve essa promessa.

Tão apressado, sua camisa nova tinha a barra costurada de forma bagunçada, e ele estava descalço porque nem conseguiu colocar os sapatos.

— Haha.

Eu ri mesmo quando mal parei de chorar.

— Você pode ir e colocar seus sapatos.

— Não. Eu não vou mais te deixar.

Perez disse e segurou rapidamente minha mão.

Seja lavado com água quente tão logo fosse urgente, seu corpo que tocou minha pele estava quente.

Eu estava preocupada que sua pele pudesse ser prejudicada, mas me senti aliviada pelo calor.

— Estou me sentindo muito bem agora. Porque você está ao meu lado.

Perez beijou o dorso da minha mão em vez de responder.

Seus olhos estavam cheios de preocupação e ansiedade por mim.

Sorri radiante para um Perez assim.

— Acho que posso fazer isso muito bem.

Talvez eu não devesse ter dito isso.

Logo depois, as dores de parto começaram.

Não, parecia ser isso.

Minha memória foi esporadicamente interrompida, então não conseguia me lembrar bem, então só estava adivinhando.

Mas o que permanece na minha cabeça.

— Matriarca, um pouco mais!

Estella, que gritava assim repetidamente.

— Ah!

Eu, que não conseguia nem gemer direito por causa da dor.

— Tia, por favor. Tia.

Só havia a presença de Perez, que nunca saiu do meu lado por um momento.

E acho que ouvi o choro de um bebê ao longe.

Foi quando eu estava pensando de forma confusa entre a consciência que vinha e ia como uma lâmpada piscando.

— Tia.

Com uma voz me chamando de Perez, algo foi colocado nos meus braços.

Ergui as pálpebras, que estavam mais pesadas do que quando eu tinha trabalhado a noite toda, e consegui abrir os olhos.

— Ah…

Não consegui falar.

Havia uma criança nos meus braços.

Cada vez que os membros pequeninos se moviam, era difícil respirar.

Quando varri cuidadosamente o cabelo dela, o cabelo cacheado macio que tocava meus dedos era mais suave que uma pena.

— Oh, olá. Oi, bebê.

Quando a cumprimentei com uma voz trêmula, seus olhos redondos olharam para mim.

Ela tinha olhos verdes que se pareciam com os meus.

Perez beijou meu cabelo e sussurrou.

— Minha filha é tão bonita. Tia, ela se parece muito com você.

— … filha?

— Sim, ela é nossa filha.

Ping.

Lágrimas escorreram.

Limpei rapidamente minhas lágrimas para evitar que caíssem na criança, e perguntei.

— Ela tem dez dedos e dez dedinhos, certo? Ela está saudável, certo?

— Sim, ela está muito saudável.

— Obrigada a Deus. Que alívio…

Enquanto ela estiver saudável.

Não havia mais nada a desejar.

— Bom trabalho. Você trabalhou muito, Tia.

A voz que dizia isso também estava tremendo.

Quando desviei os olhos da minha filha e olhei para ele, os olhos de Perez estavam úmidos.

Inclinei minha cabeça para beijar seus olhos vermelhos e gentilmente encostei minha testa na dele.

— Perez, eu escolhi um nome.

Depois de decidir que o nome da criança seria escolhido por mim e o nome do meio seria decidido pelo Perez, eu pensei em vários nomes.

Fiz uma grande lista para meninos e meninas, mas não conseguia resumir facilmente os candidatos.

— Estava preocupada com o que fazer se não conseguisse dar a ela um nome nos primeiros dias.

Apesar da preocupação, o nome foi decidido no momento em que vi o rosto do bebê.

Olhei para ela, que ainda me encarava, e pronunciei cuidadosamente.

— Merdin.

Você sabe que é o seu nome?

Merdin piscou os olhos uma vez.

— Merdin.

Perez esboçou um leve sorriso e acariciou os cabelos da pequena Merdin com sua mão grande.

E ele falou em voz baixa.

— Merdin, eu vou te dar a terra de Tigria.

Tigria.

Era o campo mais amplo e fértil entre as terras imperiais localizadas no Sul.

Beijei sua testa macia e tentei chamar o nome completo de minha filha, uma por uma.

— Merdin Tigria Lombardi-Durelli.

Para que você possa ser saudável e feliz.

Para ser bem-vinda neste mundo.

— Mamãe e papai vão trabalhar muito.

No nome da minha filha, prometi silenciosamente.

— À medida que os dias passam, acho que ela está ficando cada vez mais parecida com você, Perez.

Uma semana após o nascimento de Merdin, olhei para o berço e disse.

— Bem.

Essa foi a resposta dele, mas Perez já estava balançando a cabeça.

— Aos meus olhos, acho que ela está ficando cada vez mais parecida com a Tia.

— Não, olhe. Olhe para a boca dela, ela se parece mais com você do que comigo.

Ouvi dizer que os recém-nascidos nessa época do ano têm rostos diferentes todos os dias.

Acho que é verdade.

— Porque não consigo tirar os olhos de você.

Não porque Merdin é minha filha, mas objetivamente, ela era tão bonita.

Ela tinha um sorriso bonito, e não chorava por causa de sua curiosidade, e seus olhos redondos olhando ao redor eram bonitos.

— Haa~m.

No entanto, além disso, um bocejo escapou.

Era inevitável, porque eu tinha que me levantar a cada poucas horas para amamentar.

— Descanse um pouco, Tia.

Perez disse, acariciando minha bochecha enquanto eu estava deitada na cama.

— Perez, e você?

— É hora do banho da Merdin.

— Ah. Sim, vá em frente.

Depois de receber lições da Estella durante toda a minha gravidez, ele não largou os livros de paternidade.

Perez estava cuidando da maior parte da criação sozinho.

Ele nem sequer contratou uma babá, algo que a família imperial e famílias nobres dão como garantido.

Ele mal sequer segurou minha mão.

Tudo o que eu fazia era amamentar e amar completamente a pequena Merdin.

Quando perguntei se havia algo que eu pudesse fazer, porque queria ajudar, a única resposta que veio foi: ‘Você deu à luz a Merdin.’

Perez, que cuidava carinhosamente de Merdin, que crescia a cada dia, mas ainda muito pequena, sumiu indo para o banheiro.

Escutei por um momento e percebi que Perez tinha se afastado completamente.

E não me esqueci de elevar um pouco a voz de propósito e falar sozinha.

— Então devo descansar um pouco?

Felizmente, ele não pareceu pensar que eu fosse atravessar o cômodo e foi completamente para o banheiro.

Finalmente.

— Fufu.

Sorri e me aproximei da escrivaninha em um canto do quarto.

— Onde está o documento que secretamente peguei do escritório de Clerivan…

A licença-maternidade de ficar deitada sem fazer nada e me recuperar foi um trabalho árduo para mim.

Por isso, chamei Craney para trazer apenas um pacote de documentos do escritório de Clerivan.

Passei o dia todo procurando uma chance para ler os documentos, mas agora, quando Perez foi dar banho em Merdin, era o momento perfeito.

Se eu não aguentar por uma semana e começar a trabalhar de novo, não sei que tipo de sermão ouvirei do Perez.

Abri cuidadosamente a gaveta para não fazer barulho, e vi um bilhete familiar.

Era o diário da minha mãe.

— Oh, estava aqui.

Depois de dar à luz a Merdin, estava tão distraída que esqueci da existência do diário por um tempo.

Deixei de lado a busca pelos documentos por um momento e peguei o diário.

— Até onde eu li…

Abri a estante, seguindo minha memória.

Coincidentemente, parecia que apenas o último diário foi deixado para trás.

— O 256º ano do calendário imperial, 3 de março

Hoje é o último dia para escrever um diário neste caderno.

A partir de amanhã, planejo me concentrar na preparação para o parto.

Tive um sonho na noite passada.

Um sonho em que não consigo durar mais de um mês após o nascimento da criança.

Não pode ser. Quero receber o verão com minha filha, que nascerá na primavera, e aproveitar a brisa fresca do outono.

E, se possível, quero estar ao lado dela até a primeira neve e a próxima primavera.

Coincidentemente, um médico enviado pelo Senhor Rulak veio hoje.

Pediu ao homem remédios e comida para ajudar na recuperação pós-parto.

Sonhos proféticos não indicam um destino inevitável.

Apenas mostram os resultados de algumas decisões que tomei.

O futuro não está definido.

Pode depender das minhas escolhas e esforços.

Então, vou lutar.

Cuidar de meu corpo de alguma forma após o parto para poder ficar com minha filha por mais um dia. 」

Minha mãe guardou as palavras escritas em seu diário.

Porque ela permaneceu ao meu lado por quase um ano, não um mês.

Ela lutou intensamente por mim.

— Obrigada, mãe.

Inevitavelmente, minha garganta se apertou.

— Hmm.

Vou chorar de novo.

Depois de dar à luz a Merdin, derramei mais lágrimas.

Tentei cobrir o diário com pressa, mas acabei abrindo a primeira página sem querer.

Era um lugar que não tinha pensado em dar uma olhada quando o peguei pela primeira vez.

E havia uma nota curta deixada.

Parabéns pela vida brilhante da minha filha, Florentia Lombardi, e pelo nascimento de Merdin.

Mamãe.」

— …

Fiquei acariciando a frase por um tempo.

Vidas brilhantes.

Minha mãe chamou minha vida anterior de ‘vida brilhante’.

A vida, que eu não queria recordar porque foi difícil e dolorosa, também foi brilhante.

Não foi uma vida fracassada.

— Tia?

Ouvi a voz do Perez se aproximando de mim.

Levantei o rosto que estava enterrado no diário.

Pude ver Perez e Merdin dormindo tranquilamente em seus braços.

Não chorei.

Em vez disso, sorri radiante para os seres mais valiosos obtidos no final das minhas vidas brilhantes.

Picture of Olá, eu sou o Babi.Bia!

Olá, eu sou o Babi.Bia!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥