Selecione o tipo de erro abaixo

Um silêncio agudo que parecia prestes a explodir perfurou a sala.

Sushou permaneceu calmo, mesmo em frente ao rosto de Lavigne, que estava gradualmente ficando mais frio.

Ele ergueu a xícara de chá que havia posto de novo na mesa e até bebeu mais alguns goles do chá.

Embora o corpo que ocupava a cadeira fosse grande, o manuseio da xícara de chá era bastante delicado.

— Só o que… você está dizendo?

A voz de Lavigne tremeu.

Ela ficou furiosa.

O rosto que sorria lindamente, como uma máscara de porcelana lisa, estava gradualmente rachando devido à sua raiva.

— É exatamente como eu disse.

O Patriarca de Sushou respondeu enquanto abaixava lentamente a mão sobre o joelho machucado.

Era uma mão que pertencia a um cavaleiro que tinha muitas cicatrizes.

— O prazo para os fundos emprestados aos Angenas por Sushou já passou. Portanto, se você não puder devolver esse dinheiro imediatamente, teremos que apreender a garantia.

— Ei, Patriarca Sushou!

Eventualmente, um grito alto irrompeu da Imperatriz.

O sorriso que tentava parecer calmo finalmente desabou com um estrondo.

— Você quer que eu devolva o dinheiro agora?! Você também não está ciente de como na nossa condição é impossível?

— Eu disse algo que estava incorreto, Sua Majestade, a Imperatriz?

Chanton Sushou tinha uma expressão estranha no rosto.

Sua boca retorcida tornava difícil determinar se ele estava com raiva ou sorrindo.

Vendo a cara que ele fez, a raiva de Lavigne explodiu dentro dela.

— Você está fingindo ser eu agora?

— Claro que não.

— Se não, então o quê? O que você está tentando fazer, fazendo-me pagar de repente uma grande soma de dinheiro em um momento como este?!

— Eu sei. Pegando emprestado uma quantia tão grande de dinheiro, mas me sentindo tão à vontade, que estranho.

Finalmente, o Patriarca de Sushou soltou uma risada seca e sorriu afetadamente.

Mas o olhar em seus olhos era tão fino quanto a superfície do gelo.

— Já que você pegou o dinheiro emprestado, é natural que agora você tenha que devolvê-lo.

A Imperatriz Lavigne olhou para o Chanton à sua frente.

Ela estava com tanta raiva que havia chegado ao ponto em que seus ombros tremiam cada vez que respirava.

No entanto, ela não conseguia nem gritar de acordo com sua personalidade.

Porque era verdade que Angenas haviam pedido dinheiro emprestado de Sushou usando suas propriedades e terras como garantia e, posteriormente, o punho da espada foi segurado por Sushou por direito.

A Imperatriz, que estava encarando Chanton Sushou por um longo tempo, finalmente abriu a boca.

— O Sul é tão insuficiente para você cobiçar o Ocidente também? Representar ambas as regiões não é permitido, então o Oeste ainda estará sob a jurisdição de Angenas.

— Já estou ciente disso.

— E ainda assim você é ganancioso por nossa terra. Você não está sendo excessivamente ambicioso agora?

— Isso poderia ser possível.

O Patriarca de Sushou disse languidamente, como se estivesse se espreguiçando.

— Mas, claro, eu não seria o único que tem muita ganância. Não teriam Angenas, aqueles que confiscaram a propriedade de outra pessoa, muita ganância?

— Patriarca Sushou!

Seu corpo tremia com os insultos que foram lançados diretamente em seu rosto.

Suas unhas se cravaram dolorosamente na palma da mão enquanto ela fechava os punhos.

Porém, graças à dor, Lavigne recuperou sua racionalidade.

Então, ela respirou fundo enquanto calmamente entendia a situação.

— Patriarca Sushou.

— Sim, por favor, continue.

— Se você está tentando fingir ser eu, você vai se arrepender.

— Eu já disse isso um pouco antes, Vossa Majestade a Imperatriz. Sushou não está tentando substituir Angenas. Estou apenas reivindicando a dívida acumulada.

— … então vou providenciar para que os fundos sejam reembolsados ​​neste mês. Se não conseguirmos até lá, entregarei as escrituras para o terreno.

A Imperatriz Lavigne abandonou todo o seu orgulho e sugeriu.

No entanto, o Patriarca Sushou balançou a cabeça.

— Eu sinto muito. Na verdade, o prazo estipulado no contrato já está vencido há três dias. Já esperei três dias, então vim aqui para conseguir a escritura da terra hoje.

— Essa lei não existe…!

— Ou devemos pedir a Sua Majestade o Imperador para mediar?

Sushou interrompeu a Imperatriz e perguntou.

Era um método ocasionalmente usado quando os conflitos entre nobres aumentavam.

Assim como aconteceu com Angenas e Brown, há muito tempo.

Normalmente era uma sugestão recebida de braços abertos.

Mas a tez da Imperatriz Lavigne ainda estava tão escura quanto antes.

Porque era o imperador excessivamente inconstante Yovanes.

Ela não sabia que tipo de decisão ele tomaria se lhe pedissem para resolver tal problema, especialmente em uma situação em que, por causa de Astana, ele estava de mau humor.

Talvez ele pudesse ter pedido a Angenas para cuspir algo mais em cima de seu feudo como garantia.

Cerrando os dentes, a imperatriz Lavigne se levantou e abriu o cofre.

Continha as escrituras das várias áreas sob a jurisdição de Angenas.

As pontas dos dedos de Lavigne tremiam enquanto ela retirava as escrituras da pilha para os lugares que estavam declarados no contrato.

No entanto, quando ela voltou ao seu lugar com as escrituras do terreno, sua expressão já havia voltado ao normal.

Antes de entregar as escrituras, a Imperatriz Lavigne falou.

— Você já disse que não fingiria ser eu.

— Está certo.

— Então, por favor, certifique-se de comparecer à nobre reunião de amanhã. E o que fizemos hoje não é para sair da sua boca. Não diga a ninguém.

Agora, era mais importante do que nunca para Angenas mostrar uma aparência sólida e inabalável.

— Hum.

O patriarca Sushou, que pareceu agonizar com o pedido dela por um tempo, acenou com a cabeça logo depois.

— Eu farei isso.

— Além disso, você devolverá as escrituras ao nosso feudo se pagarmos a quantia de dinheiro que pedimos emprestado, certo?

— Isso é muito difícil. Já fizemos planos para as propriedades no oeste.

— É melhor você deixar de lado esses planos, já que conseguiremos esse dinheiro o mais rápido possível.

As palavras e risadas desdenhosas da Imperatriz Lavigne arrancaram uma risada rara do Patriarca Sushou, que raramente o fazia.

Então, ao aceitar o maço de documentos que a Imperatriz estava oferecendo a ele, ele disse a ela.

— Então você terá que se apressar, Sua Majestade, a Imperatriz.


O dia da reunião aristocrática amanheceu.

Em nenhum momento, minha carruagem já se aproximava do local onde aconteceria o nobre encontro.

Claro, era a carruagem que meu avô sempre usava, a carruagem para o chefe dos Lombardi.

Passei a mão pelo interior da carruagem que estava lindamente decorada em ouro, como o vestido de seda preta que eu estava usando.

— A sensação de andar nesta carruagem.

Essa inabalável sensação de segurança que parece ser colocada nesta carruagem em movimento!

A carruagem do Patriarca de Lombardi.

Claro, eu também havia viajado nesta carruagem em minha vida anterior.

No entanto, eu só estava acompanhando meu avô a todos os lugares como secretária para ajudá-lo.

— Agora, é minha.

Agora é para mim, Florentia Lombardi, a Vice Patriarca de Lombardi e mais ninguém.

E assim, senti como se tivesse uma ligação tácita com a carruagem, e logo cheguei em frente ao local que o conselho aristocrático seria realizado.

Eu dei um tapinha no enfeite da Árvore do Mundo e sussurrei.

— Espere um pouco aqui, certo? Volto logo após terminar esta tarefa.

Essas palavras não foram ditas sem motivo.

A reunião aristocrática desta vez não seria muito longa.

Eu caminhei suavemente, dando passos vagarosos.

Assim que entrei na sala de conferências, incontáveis ​​pares de olhos focaram em mim.

— Oh, é a jovem senhorita?

Um velho nobre que estava conversando com outro nobre perto da porta me perguntou.

Era um homem que ficou do lado de Angenas.

— Tem certeza de que não veio ao lugar errado, jovem senhorita?

— Existe talvez um clube do livro perto daqui?

O som de várias pessoas falando em sussurros podia ser ouvido.

Enquanto eu lentamente olhava para seus rostos, um por um, as informações sobre eles flutuavam na frente deles.

Aquele gordo que ofereceu suborno ao pai e foi rejeitado.

Aquele homem de aparência mal-humorada estava competindo com Shananet na indústria de mineração.

E a pessoa que me enviou um ursinho de pelúcia no meu aniversário de oito anos.

Havia muito poucas pessoas que eram completamente novas para mim aqui.

Então, alguém se aproximou de mim.

— Oh, esta não é a jovem senhorita Lombardi?

Ele era um nobre que eu tinha visto várias vezes antes em um banquete.

Ele pertencia a uma família muito próxima de Lombardi e sempre estava preso ao lado de meu avô ou de Vieze.

— Olá.

Já que não me lembro do nome dele, vamos omiti-lo completamente.

Em vez disso, dei a ele um sorriso brilhante e perguntei.

— Esta é a sala de conferências que será usada para a próxima reunião nobre, certo?

— Isso mesmo, mas…

— Você poderia me informar em qual assento meu avô se senta quando normalmente participa da reunião?

— Onde se senta o Patriarca Lombardi?

O nobre inclinou a cabeça por um momento antes de me dizer para segui-lo por enquanto.

Quando comecei a andar, vários pares de olhos também se moveram comigo.

Curiosidade, desaprovação, vigilância.

Todo tipo de coisa doeu na minha cabeça.

Aos poucos, fui ficando cada vez mais convencido pelo fato de que, se não fosse uma Lombardi, não teria permissão para entrar na sala de conferências.

— O patriarca Lombardi ainda não chegou.

— Sim, eu sei.

Agora mesmo, o avô está se recuperando na cama.

— Aha, então talvez você tenha vindo aqui para ver o Patriarca Lombardi?

— Não, nada disso.

O nobre que me guiou até meu assento tagarelava constantemente, sem parar.

Felizmente, o assento do meu avô não era muito longe da entrada.

Exatamente à direita da cadeira do presidente.

O assento que ficava na fileira mais à frente e à direita do centro.

Era uma cadeira que não parecia particularmente estável ou firme.

No entanto, eu estava bem ciente do que tal posição significava neste lugar.

— Está aqui. No entanto, como você pode ver, o Patriarca Lombardi ainda não chegou…

Eu ignorei o nobre que estava falando sobre alguma outra bobagem novamente e sentei minha bunda na cadeira vazia.

Eu vi Angenas do outro lado olhar.

— Que local ideal.

Eu ri quando pensei em meu avô sentado nesta cadeira e olhando para os nobres do outro lado.

— O que… exatamente você está fazendo agora?

Os olhos do nobre que me guiou até meu assento estavam arregalados de espanto.

As respostas dos outros na sala de conferências não foram diferentes.

— Aham. Lady Lombardi.

Então, ouvi uma voz me chamando.

Era o presidente.

— Sim, Presidente Killian. Já faz um tempo desde que te vi. Você veio à minha cerimônia de maioridade, não foi?

— Sim, eu fiz… isso.

Eu podia ver as emoções complexas passando pelo rosto do presidente.

Ele provavelmente não será capaz de entender mais a situação desde que eu apareci sentada na sala de conferências provavelmente se sobrepõe a mim, tendo minha cerimônia de amadurecimento apenas alguns anos atrás.

— Aham, Lady Lombardi. Essa cadeira é de seu avô, o Patriarca Lombardi. Se você gostaria de assistir à reunião nobre, há um lugar lá atrás…

— Eu vim aqui para participar da reunião, não para assistir.

— Participar…?

— Sim, Presidente.

O presidente olhou para mim, perplexo.

Os nobres que esperavam para assistir à reunião começaram a falar como uma multidão.

No entanto, tudo parecia música alegre para meus ouvidos.

— Se você vai…

Tenho certeza de que você entende o que estou dizendo agora.

Repeti mais uma vez, uma palavra de cada vez em voz clara e articulada para o presidente, a fim de confirmá-la novamente com ele.

— Florentia Lombardi. Vice Patriarca de Lombardi.

Picture of Olá, eu sou o Babi.Bia!

Olá, eu sou o Babi.Bia!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥