Selecione o tipo de erro abaixo

Ele mal conseguia respirar.

Seu peito afundou.

Com a cabeça atordoada, Gallahan pensou.

‘Eu tenho que dar um passo atrás.’

Mas seu corpo não ouviu.

Ele parecia ter perdido a alma para os olhos verdes que podia ver bem na sua frente.

Além disso, Gallahan percebeu vagamente. Que ela não o evita.

Shan permaneceu imóvel enquanto ele se aproximava grosseiramente, encarando Gallahan.

Ele podia ouvir seus longos cílios batendo.

Gallahan se aproximou dela sem perceber.

Ele queria beijá-la.

Era o único pensamento em sua cabeça.

Conforme se aproximava, sentia como se pudesse sentir sua respiração nos sentidos sensíveis que estavam próximos.

Ele estava tão absorto em sua doçura.

No entanto, Gallahan, que encontrou algo em seus olhos claros, parou e ficou alto.

Foi sem escrúpulos se aproximar de uma mulher que ainda não havia formalmente permitido um relacionamento.

— D-desculpe…!

Gallahan recuou apressadamente.

— Foi um dia quente e de repente me senti tonto…

A memória de dizer que estava frio porque estava na sombra há pouco tempo já havia desaparecido.

No entanto, havia muita autocrítica.

Seu coração estava como uma chaminé, é claro que ele queria confessar seus sentimentos a ela.

No entanto, ele queria se bater forte porque ainda não havia tido a coragem de fazer isso, e ele teve um momento de coração negro.

Eventualmente, Gallahan se sentou o mais longe possível e pediu desculpas mais uma vez.

— Desculpe, Shan.

Ao ver aquele olhar atordoado, Shan pensou.

‘Ele estava tentando me beijar… não era?’

Parecia ser esse tipo de atmosfera.

Tão perto.

— Tudo bem, Gallahan.

Porque hoje não é o único dia.

— Pode ser.

Parece que esse homem ainda não está pronto para abrir seu coração.

É um pouco decepcionante, mas Shan fingiu não saber, fingiu estar preocupada com Gallahan e até lhe enviou um leque.

— Como você tem passado, Shan?

Gallahan tentou mudar de assunto com uma voz desconfortavelmente estranha.

— É apenas a mesma coisa todos os dias. Nada especial… Ah!

Pensando bem, ela tinha uma notícia para Gallahan.

— Acho que a dona do ‘Onda Azul’ vai mudar.

— Isso significa que a Sra. Marge vai sair do restaurante e da estalagem?

— Sim. Porque ela está velha agora. Acho que estão tentando resolver as coisas quando alguém que mora lá aparece.

— Entendo…

— Eles disseram que era só como trocar de proprietário.

Ao final das palavras de Shan, um sorriso amargo se formou.

— Ainda assim, acho que vou sentir muita falta dela. Porque ela foi a primeira a me ajudar, que era a primeira a chegar a Lombardi e não tinha para onde ir.

Depois de se despedir de Gallahan, Shan caminhava lentamente.

Nesse meio tempo, ela pensou se havia algo que poderia dar como presente para a Sra. Marge.

Quando chegou à frente do ‘Onda Azul’, viu uma carruagem muito grande estacionada em frente.

— É uma carruagem de cliente?

No entanto, era uma carruagem que parecia ser muito cara para os plebeus que frequentavam principalmente o ‘Onda Azul’.

Mesmo após um tempo movimentado, o restaurante silencioso estava um tanto bagunçado, ao contrário do habitual.

Ao entrar, Shan olhou ao redor e viu a figura da proprietária, Marge.

— … senhora Marge?

A dona do ‘Onda Azul’, que sempre foi confiante e não hesitava em elevar a voz até mesmo para os clientes, estava curvando-se educadamente para alguém.

‘… Quem é?’

Ela viu um homem se levantar da mesa como se tivesse acabado de terminar de falar.

Ele tinha cabelos castanhos e olhos castanhos, e uma aparência comum, mas dava uma impressão profunda, carrancuda e fria.

Mas, ainda assim, o que chamou sua atenção foi sua vestimenta de cima a baixo como se fosse um nobre, e sua atitude arrogante como se olhasse para todos com desdém.

Conforme o homem se aproximava, Shan, que ainda estava parada na entrada, o cumprimentou com o mesmo respeito da Sra. Marge.

Era de acordo com a etiqueta Imperial que ela havia aprendido ao longo dos últimos meses.

No entanto, ela podia sentir o olhar vindo de trás de sua cabeça enquanto olhava para a ponta dos próprios pés.

Passos pesados.

Os passos do homem pararam em frente a Shan.

Mesmo assim, ele não se moveu por muito tempo.

‘Eu acho que você tem algo para me perguntar.’

Shan se endireitou lentamente.

Ao mesmo tempo, as sobrancelhas castanhas do homem se contorceram desagradavelmente.

— Oh.

Shan exclamou sem perceber.

Era porque o rosto do homem parecia familiar.

Vieze Lombardi.

Vieze, irmão mais velho de Gallahan, era evidente.

Shan não evitou o olhar de Vieze.

Ela absolutamente não queria perder para esse homem.

— Desprezível!

A situação, que continuou como se fosse um breve confronto, terminou com Vieze cuspindo aos pés de Shan e virando as costas.

Apenas desprezo por Shan permaneceu no lugar onde Vieze subiu na enorme carruagem em que havia chegado e desapareceu.

— Shan, você está aqui?

— Oh, dona Marge.

Shan sorriu timidamente, puxando os cantos da boca.

Como se entendesse seu coração, as mãos calorosas de Marge bateram em seus ombros.

— Shan, não temos clientes. Que tal tomarmos um chá?

Tomar chá juntas.

Nunca havia acontecido desde que vários meses haviam se passado desde que Shan começou a trabalhar no ‘Onda Azul’, onde sempre havia uma pilha de trabalho a fazer.

Depois de um tempo, uma xícara de chá foi colocada na frente de Shan e Marge.

Era uma xícara simples, mas o aroma que tocou a ponta do nariz era perfumado.

Algumas vezes, Marge abriu a boca com dificuldade enquanto engolia o chá fumegante em vez de falar.

— Na verdade, o contrato terminou hoje.

— Oh…

Era tão infeliz.

A Sra. Marge está garantindo sua aposentadoria, então é algo que deveriam comemorar juntas.

Shan não conseguia esconder seu pesar.

— Mas, ao contrário do que eu disse no início, parece que outro prédio será construído neste local.

— … o quê?

— Ele disse que ia demolir o prédio completamente.

A mão enrugada da Sra. Marge tocou o avental que ela tirou sobre a mesa.

Enquanto Shan olhava para aquelas mãos calejadas, ela percebeu o que a Sra. Marge estava tentando dizer.

— Eu terei que procurar outro lugar…

Shan de repente perdeu o lugar para morar e seu emprego.

— Estou envergonhada. Porque ele pagou muito dinheiro… Eu não tive escolha a não ser… Desculpe, Shan.

— Não, senhora.

Shan segurou a mão de Marge, que ainda repousava sobre seu avental.

— Você não precisa se desculpar de jeito nenhum.

Era natural fazer um acordo que pagaria um preço melhor.

— Este é o lugar onde a senhora dedicou toda a sua vida. Por que está pedindo desculpas para mim quando está recebendo o valor por isso?

Shan deu mais força às mãos unidas.

— Obrigada, senhora.

— Shan…

— Graças a isso, pude me adaptar bem a Lombardi. É tudo graças à senhora.

Ela sorriu mais brilhantemente de propósito, tentando aliviar a mente de Marge mesmo que um pouco.

— É um lugar para ficar e trabalhar. Eu encontrarei em breve!

— … obrigada por entender, Shan.

Marge limpou gentilmente a mão de Shan nas costas da própria mão.

— A propósito, será que tenho que esvaziar a loja a partir de amanhã?

— Oh, meu Deus. Não! Isso não pode acontecer. Temos consideração pelos nossos habituais, e decidimos dar-lhes um final em dez dias.

— Dez dias…

Não era tempo suficiente para encontrar um novo lugar para morar e trabalhar.

— Chegamos à mansão.

Gallahan ergueu seu corpo cansado com a voz do cocheiro e desceu da carruagem.

Devido à falta de preparação para o festival, ele também era responsável pela logística da parte do casamento do Príncipe Herdeiro Yovanes há alguns dias, e isso continuava todos os dias.

‘Eu quero ir para a cama e dormir.’

Havia apenas um pensamento na cabeça de Gallahan.

Já era tarde da noite, e havia passos silenciosos se aproximando de Gallahan, que havia entrado no corredor pouco iluminado.

— Senhor Gallahan, o Sr. Vieze está chamando você— .

— … meu irmão?

Ele estava cansado o suficiente para arrastar os pés no chão, mas não podia evitar.

Se ignorasse o chamado de Vieze, algo irritante teria acontecido novamente.

— … eu vou.

Gallahan dirigiu-se à residência de Vieze.

— Você andou por aí até tarde.

Assim que chegou à sala de estar, Vieze franzia a testa para Gallahan.

Nos últimos anos, a posição de Gallahan tem crescido.

Aquele covarde de Gallahan como sucessor de Lombardi.

De jeito nenhum.

Felizmente, Vieze sabia como cortar de uma vez esse broto de Gallahan.

— Parece que você está ocupado esses dias?

— Sim. O top provavelmente…

— Yeah, eu acho. Porque estou com falta de trabalho do top além do seu lugar.

Vieze torceu os lábios finos.

— Para ter um relacionamento com aquela coisa inferior escondida na estalagem.

Picture of Olá, eu sou o Babi.Bia!

Olá, eu sou o Babi.Bia!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥