Selecione o tipo de erro abaixo

Gallahan, o terceiro filho da família Lombardi, segurou o canto da boca que parecia se contorcer com um copo de vinho.

— Você pode me ouvir, Gallahan?

Vieze Lombardi, o irmão mais velho de Gallahan, perguntou severamente.

Sendo feroz e impaciente desde a infância, ele tinha uma personalidade que podia mudar a qualquer momento, mesmo que sorrisse um pouco agora.

Ainda estava bêbado, e seus olhos castanhos brilhavam sobre seu rosto sorridente.

— … sim, irmão.

Quando Gallahan respondeu relutantemente, Vieze assentiu satisfatoriamente somente então.

— Sim, sim. Então esse é meu irmão.

O corpo de Gallahan tremeu violentamente enquanto a mão de Vieze apertava seu ombro.

Na noite passada, ele virou-se na cama a noite toda e não conseguiu descansar, flutuando no vinho com olhos cansados.

— E se o pai tentar te chamar e te pedir para fazer algo, você se recusa porque não pode fazer como da última vez. Essa é a maneira correta.

Rulak, o pai de Gallahan e chefe da família Lombardi, era um líder rigoroso.

E essa atitude era a mesma para os filhos que herdaram seu sangue.

Nada era dado de graça.

Como chefe da família e como pai, Rulak Lombardi constantemente exigia realizações.

No entanto, o mais jovem, Gallahan, era o único que Rulak tratava com delicadeza.

Ele continuava dando oportunidades a ele e tentando apoiá-lo de alguma forma.

Portanto, Vieze, o filho mais velho que ainda não havia sido anunciado como sucessor, não se importava muito com Gallahan.

Então ele quase ficou para trás quando ouviu dizer que seu pai daria um lugar ao topo da Lombardi para o irmão mais novo.

Eventualmente, ele chamou Gallahan separadamente e ameaçou contar ao pai que ele não conseguia fazer com a boca.

A visita, que vinha uma vez por dia, ameaçava, coagia e secava o sangue, continuou até Gallahan obedecer a Vieze.

‘Não vou ver meu irmão por um tempo.’

Não havia motivo para despejar o chá do assento onde Vieze o forçou a sentar, e no final, Gallahan pensou enquanto bebia vinho desde a manhã.

— Negócios de família não são para todos. É melhor para mim, com experiência, liderar o trabalho do que para você, que não sabe de nada sem motivo. Eu pensei bem.

Diante de Vieze, que estava de bom humor para conseguir o que queria de alguma forma, Gallahan só queria sair daquele lugar.

Se soubesse que eventualmente desistiria assim, teria rejeitado a oferta de seu pai desde o início.

Ele foi ganancioso na esperança de querer. Sentiu-se patético por passar dias cansativos.

— A partir de agora, viva quietamente e modestamente assim. Entendeu?

Nas palavras de Vieze, Gallahan concordou impotente.

— Se terminou de falar, posso me levantar e ir, irmão?

— Sim? Ah, sim, sim.

Vieze, que agora não tinha mais nada a ver com Gallahan, acenou com uma mão sem sinceridade.

Gallahan, que voltou para o quarto arrastando os pés, trocou silenciosamente suas roupas.

Com um toque familiar, vestiu-se com roupas desgastadas que poderiam ser usadas por plebeus e empacotou um instrumento que estava deitado de lado no quarto.

Mesmo a impaciência foi refletida em seus passos ao entrar na carruagem chamando um cocheiro que cuidava do cavalo.

— Quer que eu te leve ao seu lugar habitual, Sr. Gallahan?

— Sim. Se apresse.

Ao pedido de Gallahan, a carruagem começou rapidamente a deixar a mansão Lombardi.

— Ah.

Somente então Gallahan, que abriu a janela da carruagem e se inclinou confortavelmente contra o assento, soltou um suspiro profundo.

— Agora…

Vou viver.

Gallahan deixou o vento desarrumar seu cabelo.

Depois que sua mãe, Natalia Lombardi, faleceu, a mansão era como uma prisão para ele.

Um pai que olhava repetidamente para o rosto parecido com o da mãe e silenciosamente aumentava suas expectativas indesejadas e ficava desapontado, e seu irmão, Vieze, que dizia para ele fechar a boca mesmo que vivesse quietamente como se não existisse.

Gallahan assistia a si mesmo sendo empurrado para fora da casa onde nasceu e cresceu.

— Chegamos, Sr. Gallahan.

— Irei para casa sozinho à noite, então volte e descanse.

Era um beco deserto perto da Praça Lombardi.

Gallahan saiu dali, desarrumando ainda mais o cabelo.

Embora tivesse saído da mansão, não havia um lugar que ele realmente usava como destino.

Gallahan, que havia caminhado ao longo do rio por um tempo, logo virou para a praça.

Ele queria se perder no barulho da multidão.

Sem perceber os olhares corados que o seguiam, Gallahan sentou-se em frente à fonte.

Depois de tirar o instrumento habitual, ele moveu a mão sem pensar para desenhar.

Mesmo assim, ele parecia se sentir um pouco melhor quando se misturava com as pessoas animadas.

Depois de um tempo, quando o sol já estava alto no céu, ele conseguiu sorrir para as crianças que corriam por ali.

Então ele virou a cabeça de repente.

Ele não se lembrava do motivo.

Parecia haver um som vindo de lá e parecia que o vento estava soprando.

Desde o momento em que ele viu uma mulher parada embaixo de uma árvore florida, isso não importava. 

— Oh.

Gallahan fitou a mulher de cabelos vermelhos. Ele simplesmente não conseguia desviar o olhar dela.

O tempo parecia ter parado, ou talvez voado.

Quando voltou a si, percebeu que estava segurando-a, ela que quase tinha caído, em seus braços.

Ao olhar para os olhos dela, parecidos com os dele, mas muito mais verde profundo, Gallahan despertou surpreso.

— Com licença…

Pediu desculpas rapidamente e sua mão que endireitava o corpo de Shan era constantemente cautelosa.

— Obrigada, não caí graças a você! Sou muito grata!

Ao ver Shan sorrindo radiante enquanto dizia isso, Gallahan de alguma forma quis pegar água da fonte.

— Então…

Ele curvou a cabeça em cumprimento e tentou escapar.

Ele nem teve tempo de esconder a ponta das orelhas vermelhas.

Tak.

Até que Shan segurou sua manga.

Gallahan não conseguia respirar e olhou para a mão pequena que segurava a barra solta de suas roupas.

Era uma mão que ele poderia afastar facilmente, mas parecia haver um som de trava em algum lugar.

Enquanto isso, Shan estava perplexa.

— Como você pegou nisso?

Ela pensou que não deveria deixar isso escapar, então fez.

— Aquele desenho!

Shan disse meio gritando.

— Posso dar uma olhada no desenho?

— Meu desenho…?

— Sim! Eu quero ver muito!

‘Estou condenado.’

Ele vai pensar que sou uma pessoa estranha.

Com esse pensamento em mente, Shan soltou as mangas que segurava com força.

— Só uma vez!

— … aqui está.

Gallahan hesitou por um momento e estendeu a prancheta.

— Uau!

Shan abriu os olhos largos e exclamou sem perceber.

— Você desenhou realmente bem!

Não era um elogio vazio.

Ela não conseguia tirar os olhos da cena da praça vivamente representada em uma única folha de papel.

— Como você desenha assim?

— É só… não é nada especial.

— Não! O desenho é bonito e, acima de tudo, as pessoas parecem felizes. Acho que é um ótimo desenho.

Ao ver o sorriso de Shan, o rosto de Gallahan se endureceu.

Era a primeira vez que alguém elogiava sua pintura daquela maneira.

Para o terceiro filho da Lombardi, era uma habilidade inútil, mas não o bastante para seguir o caminho de um artista.

— As pessoas que desenham tanto quanto eu são comuns. Eu não tenho habilidades para mostrar isso aos outros assim.

Gallahan murmurou rapidamente e guardou o desenho como se estivesse escondendo.

Vendo isso, Shan inclinou a cabeça.

Não parecia que ele estava dizendo isso por vergonha ou constrangimento.

O olhar constantemente desviado e a cabeça baixa estavam dizendo isso a ela.

Algo estava estranho.

Menos de alguns minutos após conhecer seu futuro marido, Shan enfrentou o primeiro desafio.

Ela tinha plena consciência do futuro que Gallahan viveria.

No entanto, havia algo negligenciado.

Era que ela não sabia muito sobre o passado de Gallahan.

Ela queria se socar no passado, que pensava despreocupadamente ‘Assim que nos encontrarmos, tudo acontecerá de acordo com o destino’.

Ela não sabe quem é, mas pensou que seria apropriado bater em cem ou mais daqueles que fizeram Gallahan se sentir intimidado daquela forma.

‘Mantenha a calma.’

Aqui, não devemos deixar apenas memórias embaraçosas um do outro.

Foi quando Shan pensou assim e estava quebrando a cabeça sobre o que fazer.

Gallahan, que já havia arrumado todos os desenhos, falou com voz baixa.

— Mesmo assim… Obrigado pelas suas palavras gentis.

O que devo fazer com esse cara gentil?

Shan sentiu seu coração doer e segurou as roupas de Gallahan mais uma vez enquanto ele se virava.

Ela perguntou com o rosto mais piedoso.

— Eu não tenho amigos.

— O quê…?

— Então, podemos ser amigos?

No dia seguinte.

Parado na rua movimentada, Gallahan olhou para o céu e suspirou.

A alguns passos de distância, ele viu um prédio com uma placa chamada ‘Onda Azul’, sobre a qual Shan havia falado.

— Acho que seremos bons amigos. O que você acha?

A mulher que ele conheceu pela primeira vez ontem, Shan, disse isso e disse que hoje era seu dia de folga.

Por volta da hora do almoço, ela disse para se encontrarem lá na ‘Onda Azul’.

Até quando foi para a cama na noite anterior, Gallahan pensou que não aceitaria a oferta dela.

Foi porque ele estava com medo.

Só de olhar para ela por um momento, parecia ter perdido toda a sua atenção e juízo, mas e se passassem mais tempo juntos?

O covarde em Gallahan estava dizendo para ele fugir.

Então, no dia seguinte, ele ficaria preso na biblioteca da mansão e leria livros o dia todo.

Quando voltou a si, já estava no local do encontro.

— Umm.

Gallahan, que estava parado e enterrado em suas mãos grandes, refletia, então moveu seus passos em direção à ‘Onda Azul’.

Ele tinha uma expressão tensa, como se tivesse tomado uma grande decisão.

— Seja bem-vindo! Estamos ocupados, então sente-se em qualquer lugar!

Uma mulher de meia-idade que parecia ser a dona cumprimentou-o.

Gallahan ficou ali por um tempo e olhou ao redor do interior cheio de pessoas.

E então seus olhos verdes se apagaram.

‘Ela não está.’

Shan não estava em lugar algum.

‘Bem então.’

Foi rápido desistir, superando a coragem que ele havia tomado.

Sem saber o que esperar, os largos ombros de Gallahan caíram impotentes.

Foi então.

Tok tok.

Com um toque leve, ele olhou para trás, e Shan estava lá sorrindo.

— Você esteve esperando?

Depois disso, houve um dizer ‘Estou atrasada?’, mas Gallahan não ouviu e pensou em branco.

Talvez, todo esse tempo, ele estivesse esperando por aquela mulher.

Picture of Olá, eu sou o Babi.Bia!

Olá, eu sou o Babi.Bia!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥