Selecione o tipo de erro abaixo

“Na verdade foi uma péssima ideia.” esse era o único pensamento que dominava minha mente, turbulenta, enquanto eu me movia silenciosamente pelas sombras, esquivando-me do olhar atento do guarda. 

A ironia da situação não me escapava: em meio a uma fortaleza tida como impenetrável, uma simples porta na escada havia sido negligenciada, deixando o alçapão que levava ao topo da torre inexplicavelmente acessível.

Quem, em sã consciência, ousaria adentrar um dos locais mais vigiados da cidade? A resposta, embora retórica, refletia a magnitude da minha audácia – ou da minha loucura.

Neste cenário, cada passo era calculado, movido não apenas pela necessidade de escapar, mas também pelo desejo ardente de confrontar os próprios limites. 

A torre, um símbolo de poder e segurança, agora se transformava em palco de uma luta íntima e silenciosa, onde o verdadeiro desafio era contra as barreiras invisíveis que me cercavam.

Intensamente concentrado em sua busca, o homem mantinha-se ereto e firme, um reflexo da disciplina militar que o definia. Seu uniforme, ajustado ao corpo, era um espelho do rigor e da segurança que representava. Olhos atentos varriam o ambiente, cada canto e sombra, em busca do intruso que ousaria desafiar sua vigilância.

A barba, meticulosamente aparada, acentua a determinação gravada em sua mandíbula. As sobrancelhas, levemente franzidas, transmitiam uma ponta de preocupação com a missão que lhe fora confiada. 

A gravidade da tarefa era palpável no ar, e ele estava plenamente ciente de que não havia margem para erros. A cada passo, a cada olhar, ele reafirmava seu compromisso inabalável com a ordem, mesmo que isso significasse enfrentar os próprios limites.

De repente, ágil como um raio cortando a escuridão da noite, corri ao lado dele, deixando-o atônito com minha velocidade e determinação inabaláveis. Seus olhos se arregalaram em surpresa, e o impacto da minha passagem rápida o deixou momentaneamente paralisado. A confusão era evidente em seu rosto, agora marcado por uma frustração palpável por ser pego desprevenido.

Contudo, antes que pudesse esboçar qualquer reação ou tentativa de perseguição, eu já havia me fundido à escuridão, adentrando a noite com a liberdade de um fantasma e deixando para trás não apenas seu corpo estagnado, mas também um rastro de incredulidade e choque. Ele permaneceu imóvel, tentando em vão compreender o desvario heroico de minha ação.

Em meio à fuga frenética, minha concentração era inabalável, capitalizando sobre a vantagem temporária conquistada. Cada segundo se mostrava vital; minha mente, num turbilhão de pensamentos, delineava febrilmente o próximo passo. O caminho que se estendia diante de mim, o extenso corredor que coroava a muralha, representava a única rota de escape.

A adrenalina dominava meu ser, injetando uma energia quase sobrenatural em cada movimento. As decisões que se avizinham, impelidas pela imperiosa necessidade de me manter sempre à frente dos guardas, eram críticas para evitar o destino de ser capturado.

Deslizando sorrateiramente pelas sombras, aproveito cada contorno de penumbra que o corredor deserto oferece. Cada passo é um testemunho de cautela, enquanto a atmosfera ao meu redor se adensa, carregada com o suspense e mistério que permeiam o ar. 

O aroma doce e intoxicante das flores de dama-da-noite se entrelaça na brisa, conferindo ao local uma camada adicional de sensualidade, que contrasta vivamente com a tensão do momento.

A iluminação vacilante de tochas à distância sinaliza a presença de mais um posto de guarda. Esta luz trêmula lança sombras inquietantes nas paredes de pedra, enquanto sussurros abafados vindos da área adiante denotam atividade.

Com essa evidência, uma constatação fria se cristaliza em minha mente: “A furtividade já deixou de existir.” essa não é uma revelação repentina, mas sim a aceitação de um fato.

Com essa aceitação, meu avanço se torna mais audacioso, impulsionado pela necessidade de manter a vantagem conquistada, mesmo sabendo que o elemento surpresa já não está mais ao meu lado.

O som de um assobio agudo, semelhante ao alerta de um apito, corta a noite, elevando a tensão ao meu redor. Encurralado, com opções cada vez mais escassas, a desistência não me parece uma opção. Com a urgência pulsando em cada passo, avanço, nutrido pela esperança de uma solução iminente antes de ser interceptado pelos soldados que, certamente, estão vigis.

Conforme me aproximo, o cenário começa a ganhar forma sob a luz oscilante. Os vultos se contorcem nas paredes de pedra, desenhando um espetáculo de dúvidas e possibilidades em minha mente acelerada. 

No posto adiante, observo dois guardas, suas silhuetas recortadas pela luz fraca, sussurrando em busca de um entendimento compartilhado sobre o sinal do apito. Eles vasculham o ambiente, alheios à minha presença oculta pela escuridão.

A meu favor, uma pilha de tábuas velhas e destroços se encontra posicionada perto do posto dos guardas. Quase como um convite, pelos vãos, percebo uma escada que desce — seria uma rota de escape? 

Entre os murmúrios da noite e a incerteza do momento, esse detalhe surge como uma faísca de esperança, sugerindo um caminho alternativo que talvez me permita evadir da vigilância apertada.

A cada passo dado, me vejo mais imerso em minha própria sagacidade. O som dos meus passos, um martelo no corredor silencioso, enquanto meu coração, em descompasso. A tensão, minha velha amiga, sussurra promessas em meio à escuridão do cerco que se fecha.

À medida que me aproximo do fim, ou seria do início, uma nova ideia, tão temerária quanto as anteriores, se insinua em meu pensamento. A incerteza, esse véu que turva a visão dos homens, mal consegue ocultar o ímpeto de liberdade que me guia. Cada centímetro conquistado é um testemunho de minha rebeldia… uma estratégia audaciosa, minha última cartada contra os sentinelas do destino.

Confuso novamente? Bem, vou tentar exagerar menos.

Executo um salto de forma ágil e precisa. Como um acrobata profissional realizando um movimento ensaiado. Em um momento de pura loucura, passo entre os guardas que, surpresos e confusos, se contém para não atacar. Afinal, 

conforme eu atravesso o espaço estreito entre eles, paira uma grande possibilidade de que se acertem mutuamente com suas espadas. As tábuas recebem meu peso, e, com um estalo satisfatório, cedem sob a pressão. 

Sinto a adrenalina novamente percorrer meu corpo. Os olhares perplexos e momentaneamente paralisados dos homens em posição refletem sua surpresa. No entanto, o tempo é curto, e sei que devo continuar em movimento para garantir a vantagem momentânea que conquistei.

Sigo adiante, decidido a superar todos os obstáculos que se interpõem em meu caminho, utilizando cada oportunidade para escapar do alcance dos guardas e mergulhar em uma fuga desenfreada rumo à minha tão desejada liberdade.
Se eu tenho certeza de que esse é um bom final? Claro que sim, as pessoas amam um bom cliché! Aiai, Mir meu jovem padawan… você ainda tem muitas coisas a aprender



Picture of Olá, eu sou o Ricardo Augusto!

Olá, eu sou o Ricardo Augusto!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥