Selecione o tipo de erro abaixo

Capítulo 156 – A névoa à deriva

Tradutor: Cybinho

Curiosamente, tudo começou por um capricho, não muito tempo atrás. Ou talvez fosse o destino? Um homem estranho, que parecia um pouco com um vigarista, com seus olhos penetrantes de raposa, e um sujeito bastante embrutecido, com aparência de macaco, segurando uma placa. Normalmente Liu Bowu teria passado por ele, mas o que viu o intrigou. Os grandes retratos, tão realistas. As opções extras de fundo.

Bowu sorriu.

Sua irmã já tinha um retrato de Bowu em seus aposentos pessoais, visível sempre que alguém entrava. Os olhos de seu pai se apertavam toda vez que ele ia verificar o treinamento de Xianghua, ou assim lhe disseram.

Então ele decidiu obter um retrato maior e mais realista. Um presente de brincadeira para Xianghua e sua própria rebelião mesquinha.

Foi um choque saber que o ajudante do Mestre da Imagem era o mesmo homem que sua irmã conhecera… e, segundo todos os relatos, achava atraente.

O homem parecia um macaco! Mas sua irmã sempre teve um gosto um pouco estranho, e pelo que ele podia dizer, esse Gou Ren não era um cara tão ruim.

==============================

Outro encontro casual enquanto ele escalava as estrelas da Arena Terrestre dos Picos Duelantes.

Dois homens que não entristeceram por sua perna, ou o trataram como um completo inválido. Gou Ren o deixou seguir seu próprio caminho, sob seu próprio poder – ele apenas deixou Bowu definir o ritmo.

Foi a coisa mais próxima de amizade que ele teve em muito tempo, sentado lá comentando sobre as batalhas dos cultivadores.

E então… Sua irmã. Rou Tigu contra Liu Xianghua. Fora considerada a melhor partida do torneio, a luta inigualável. Onde dois membros do Reino Iniciante lutaram como aqueles no Profundo; discípulos mostrando tanto poder quanto os Anciões das Colinas Azure.

Seria falado por gerações, eles disseram.

As coisas mudaram rapidamente. Seu pai, exilado. Bowu, reintegrado à seita.

Ambas as coisas pequenas, em comparação com o rato que alegou que sua perna poderia ser curada.

=========================================

“Sim, Bowu virá conosco. Minha esposa vai dar uma olhada na perna dele.” Mestre Jin disse simplesmente para o Ancião da Seita do Lago Nebuloso, Bingwen. Ele não estava perguntando ao homem, estava informando-o.

Bowu não pôde deixar de sentir um pouco de inveja do Mestre Jin. Como ele poderia simplesmente dizer, e seria assim.

O Élder Bingwen lançou um olhar para Bowu, algo nos olhos do homem. Mas ele capitulou imediatamente. “Claro, Mestre Jin. Cuide bem do nosso Jovem Mestre. Ele é muito importante para nós”.

Bowu quase bufou. Ele não era estúpido. Ele sabia que tudo o que eles queriam era sua Fornalha a Vapor. Se Xianghua pudesse lutar como se estivesse no Profundo Reino com seu artefato, o que os Anciões poderiam fazer?

Um multiplicador de força incomparável para sua seita. Mesmo que ela tenha perdido para Tigu, isso foi visto como uma exibição poderosa, quando muitos pensaram que Tigu era filha do Mestre Jin.

O homem que entrou e contou a todos o que estava acontecendo.

O homem que, ao ver pela primeira vez os desenhos do forno a vapor de Bowu, afirmou que Bowu era um gênio.

Validação.

“Venha visitar quando quiser, Xianghua,” Mestre Jin continuou. “Você é bem-vinda sempre.”

O rosto de sua irmã era uma máscara educada, mas Bowu podia sentir o quão orgulhosa ela estava por baixo.

“Claro, Mestre Jin!”

Mestre Jin assentiu e deixou Bowu para fazer as malas.

===================================

A princípio, eles viajaram com pouca bagagem; uma pequena carroça para Bowu, enquanto o resto deles corria. Bowu ficou mortificado quando o poderoso Mestre pegou a carroça como se fosse apenas uma besta de carga, mas Gou Ren apenas deu de ombros.

“É assim que Jin faz as coisas”, disse o homem que conquistou o coração de sua irmã e amigo de Bowu.

Mestre Jin nem tinha mencionado isso, nem tinha falado muito de si mesmo, mas mesmo assim,. Bowu aprendeu muito na estrada sobre que tipo de homem Mestre Jin era. Não apenas através das palavras daqueles que falaram dele, mas através de suas ações.

Mestre Jin era tudo o que seu pai diria que era impróprio. Fácil de rir. Indiferente ao decoro. Gentil.

Inútil para um cultivador, que deve aparecer para os outros como a névoa: sem forma e incapaz de ser compreendido, até que fosse hora de revelar sua intenção.

Isso deu a Bowu uma pequena diversão sombria sobre Mestre Jin eclipsando1 o bastardo completamente.

========================================

A viagem para longe dos Picos Duelantes terminou muito mais rápido do que Bowu esperava. Ele continuou pensando que era algum sonho estranho que ele iria acordar.

Mas acabou, no final de uma estrada.

A princípio, Bowu imaginou algum tipo de reino oculto quando chegaram à casa do Mestre Jin. Mas em vez disso, era simplesmente uma fazenda.

Uma fazenda com um dragão, que podia se transformar em peixe, e que implorava a Bowu por suas sobras de comida.

Os primeiros dias foram passados ​​em uma neblina principalmente confusa.

Ele estava fora do lugar. Era um sentimento familiar realmente.

Mas o que não era familiar eram tantas pessoas tentando fazê-lo se sentir bem-vindo.

=======================================

Ninguém esperava nada dele. Ele era um convidado. Lady Meiling (que sorria sempre que ele a chamava assim), verificava sua perna diariamente e gentilmente o orientava sobre o que ela achava que estava errado com ela. Ri Zu estava sempre presente, ajudando sua Mestra.

A senhorita Cai aproveitou o tempo para se certificar de que ele estava confortável.

Mano2 Gou Ren e Tigu deram a ele um tour pela propriedade.

Ele viu coisas estranhas. Coisas estranhas como a Srta. Cai, a Flor da Seita da Lâmina Verdejante, trabalhando na cozinha como uma empregada. Chun Ke, o javali, encontrando nozes e frutas para comer, pequenos presentes que tinham um sabor delicioso.

Senhorita Pi Pa chegando de manhã com um lote de roupas dobradas para ele.

Conversando com uma cobra sobre composição de vidro.

Mano Gou Ren e Mestre Jin reformando uma casa, só para ele.

Tratado como um convidado de honra e paciente em recuperação, ninguém na fazenda esperava que ele fizesse alguma coisa.

Mas o próprio Bowu estava ficando um pouco inquieto.

Então, um dia, uma semana depois de terem chegado, Mestre Jin o chamou para a forja. O enorme martelo de queda sempre foi um espetáculo. Bowu tinha visto um antes, na Cidade do Mar de Grama. A coisa gigante sempre foi tão incrível, mas os rios do Lago Nebuloso fluíam muito devagar para qualquer um deles trabalhar lá.3

Mestre Jin estava sentado e olhando para um pedaço de papel. Seus olhos estavam focados e atentos.

Ele olhou para ele por um momento até que finalmente, ele suspirou.

“Cara, eu não tenho ideia do que estou fazendo”, disse ele, balançando a cabeça ao notar Bowu. “Eu estava tentando fazer algo para mostrar o que você pode fazer com vapor, mas sou muito ruim nisso.” O homem admitiu facilmente e estendeu a página.

“Uma roda?” Bowu perguntou, curioso. O desenho parecia um pouco com o martelo de queda, não, exatamente como o martelo de queda, mas havia um tanque estranho em uma extremidade—

Os olhos de Bowu se arregalaram.

“Sim, o mecanismo básico para isso…” ele apontou para o martelo. “Mas não há necessidade de um bom rio. Somente água.”

Usando vapor para girar a roda, em vez de água? Isso… era inútil para um cultivador.

Mas não para um mortal. Não para Bowu.

“Você disse que gostava de fabricação de máquinas, certo? Tenho muitas ideias incompletas, mas preciso de alguém que me ajude a fazê-las. Yao Che é bom, mas tem suas próprias coisas para cuidar. O que você acha? Você poderia me ajudar?”

Pela primeira vez em sua vida, alguém ao lado de sua irmã pediu sua ajuda. Não porque ele pudesse tornar o Mestre Jin mais poderoso, porque ele não podia, mas porque ele considerava interessante.

Só havia uma resposta que Bowu podia dar.

Mestre Jin sorriu… e lhe deu um capacete, pintado de amarelo.

“Bom! Primeiro é a palestra de segurança!” ele disse alegremente. “Sempre use seu capacete ao operar máquinas pesadas – tem que proteger seu melão!”

Foi uma palestra estranha, mas Bowu ouviu atentamente, porque Mestre Jin disse que revogaria os privilégios do martelo de queda de Bowu se não o fizesse.

Então ele usava seu chapéu amarelo e enchia as orelhas com cera.

As faíscas que o martelo fez foram lindas quando ele bateu.

Ele destroçou completamente o primeiro pedaço de metal.

O ferreiro da aldeia, Yao Che, ficou absolutamente pasmo que a única coisa que Bowu sabia fazer eram tubos e parafusos minúsculos.

Mas… o homem mais velho estava muito ansioso para ensiná-lo.

==========================================

Liu Bowu acordou ao lado de um porco com uma leve dor de cabeça. Um galo estridente soltou um chamado, e Bowu franziu a testa. Parecia errado. Não é poderoso o suficiente. Quase insultantemente quieto.

Ele respirou fundo e sentiu o leve aroma de frutas e flores.

Pi Pa, hoje. Chun Ke cheirava mais a terra quente.

Ele distinguia dois porcos pelo cheiro, porque dormia com eles com frequência. O rosto de sua mãe foi o que invadiu seus pensamentos desta vez, parecendo vagamente desaprovador.

Vagamente desaprovando, mas ela não podia fazer nada sobre isso.

Bowu sorriu, de bom humor, e se avaliou.

Ele não estava na cama deliciosamente macia que Mestre Jin e Gou Ren fizeram para ele. Em vez disso, ele estava um pouco dolorido de onde estava deitado na madeira. Um sentimento familiar. Ele tinha adormecido tantas vezes em sua mesa enquanto mexia com a Fornalha a Vapor, que ele conhecia a sensação muito bem.

Em vez disso, ele tinha quase certeza de que estava no chão.

Ele se concentrou, tentando se lembrar da noite. Bi De, Tigu e a Srta. Cai — Xiulan, ela disse a ele para chamá-la de Xiulan — tinham voltado do que quer que estivessem fazendo, e Mestre Jin lhes ofereceu uma bebida.

Bowu corou ao lembrar do som que Xiulan fez quando o hidromel atingiu sua língua. Era bom, mas sério? Ele tinha ouvido sons mais puros saindo de um bordel, na única vez que ele e sua irmã passaram por um na cidade.

Ele balançou a cabeça ligeiramente para limpar o pensamento.

Então, depois disso, o Grande Irmão Yun Ren voltou, parecendo extremamente alegre com alguma coisa, e então ele tomou uma xícara, o que significava que todo mundo tinha uma xícara…

E Bowu tinha roubado uma também. Não podia machucar, e tinha um gosto bom, mas tudo ficou nebuloso depois disso. Ele se lembrava de ter sido carregado para uma colméia, para que todos pudessem elogiar a colmeia e as abelhas dentro dela.

E então Xiulan cantou uma canção verdadeiramente espetacularmente vulgar sobre um burro enquanto Lady Meiling, a única pessoa sóbria na sala, a incitava. Pi Pa estava dançando, de pé sobre as patas traseiras e fazendo piruetas surpreendentemente graciosas… embora ocasionalmente tropeçando.

Bowu adormeceu depois disso.

Ele finalmente abriu os olhos, estremecendo um pouco com a luz, e olhando ao redor.

A primeira pessoa que ele viu foi Lady Meiling, que tinha um sorriso enorme no rosto e um cristal de gravação flutuando ao lado dela que fazia barulhos suavemente.

Os olhos de Bowu foram para o que ela estava sorrindo.

Xiulan estava deitada de costas, babando e roncando enquanto usava Yun Ren como travesseiro. Sua camisa estava completamente aberta e seu rosto estava coberto de rabiscos, assim como o de Yun Ren.

A temível Lâmina de Grama tinha Tigu em uma chave de braço, empurrada para uma… bem, uma posição comprometedora enquanto ela murmurava e a abraçava. Tigu parecia um pouco irritada porque já estava acordada, mas depois de alguns minutos, parecia resignada com seu destino.

“Ela é muito pegajosa quando está bêbada,” Tigu murmurou petulantemente.

Meiling apenas sorriu, porque Cai Xiulan pegou outra pessoa.

Mestre Jin estava com a cabeça no colo dela… tecnicamente, pois as pernas de Xiulan também estavam posicionadas em um estrangulamento devastador ao redor do pescoço do Mestre. Mestre Jin simplesmente continuou a roncar, então… Bowu achou que estava tudo bem?

Ele tinha vários pedaços de anatomia masculina desenhados em seu rosto, e Bowu supôs que Lady Meiling fosse a culpada, a julgar pelo pincel em sua mão.

Ela olhou para Bowu e sorriu.

“Awww, você acordou! Você era o próximo!” Ela disse alegremente, e Bowu suspirou de alívio. Não que tirar a tinta fosse difícil, mas ele não tinha vontade de ter seu rosto gravado assim.

Ele estremeceu e segurou a cabeça enquanto tentava se levantar.

“Vá e beba um pouco de água, ok?” Lady Meiling disse-lhe gentilmente. “Vou fazer algo para a dor de cabeça se continuar.”

Bowu assentiu, cambaleando em pé. Ele olhou pela janela e viu uma massa vermelho-ferrugem saindo do rio como uma estranha formação rochosa. Bowu mancou até a cozinha. Ele pegou uma xícara e parou quando notou um par de pés saindo de uma “bandeja do forno” como Mestre Jin os nomeou.

O majestoso Bi De estava de costas, com os pés erguidos no ar, empurrado junto com a senhorita Ri Zu e Yin, a coelha, apoiando-o pelos lados.

Yin estava usando seu colete e Ri Zu usava seu colar. Todos eles estavam cobertos de vegetais meio comidos.

“Então é por isso que ele parecia quieto hoje.” Bowu murmurou, antes de entrar na sala do rio.

Wa Shi, em sua forma de peixe, o cumprimentou, descansando contra a borda de pedra do chão, com um braço musculoso saindo de seu lado. Ele tinha uma salsicha fria na boca e estava segurando um copo de suco de frutas na mão. A cobra ao lado dele simplesmente bebeu seu copo de água.

“…dia,” Bowu disse.

O peixe sorriu, outro braço se formando com um pop para cumprimentar em saudação. Uma corrente de água subiu do rio e derramou no copo de Bowu.

Sua sede saciada, ele conseguiu voltar para a sala principal e sentou-se à mesa. Lady Meiling tinha colocado todo mundo em ordem, embora a maioria ainda estivesse dormindo. Mestre Jin havia acordado e estava olhando alegremente para o trabalho de sua esposa.

Só faltou um.

“Onde está o Mano Gou?” Bowu perguntou, olhando ao redor.

Lady Meiling apontou para cima.

Bowu olhou fixamente para o homem amarrado a uma viga do teto.

“…Eu vou voltar a dormir,” Bowu decidiu.

  1. tirar o brilho ou a visibilidade de; ofuscar, obscurecer
  2. Ele fala Grande Irmão mas de um jeito mais informal
  3. Esse martelo é movido por uma Roda D’água, por isso precisa do rio
Olá, eu sou o Cybinho!

Olá, eu sou o Cybinho!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥