Selecione o tipo de erro abaixo

Interlúdio: Reunindo a Gangue

Tradutor: Cybinho

Várias horas antes do ataque…

“Com tantos lugares para atingir, a mão de obra é o maior problema…” O Inspetor Especial disse, franzindo a testa para o mapa que ele havia aberto. Eles estavam todos reunidos em uma grande sala da mansão, planejando os ataques.

Dong Chou, também conhecido como Trapos1 por seus amigos, bocejou enquanto se encostava na parede da mansão, ouvindo com metade do ouvido a conversa que Xiulan e o Inspetor estavam tendo. Era uma habilidade prestar atenção enquanto parecia que você não estava ouvindo nada, e Trapos cutucou distraidamente sua orelha.

Honestamente, ele meio que esperava que eles pegassem todas as informações e depois saíssem e atacassem os lugares sozinhos. Foi por isso que ele ofereceu a ajuda de seus contatos. Mas trabalhar ativamente com um homem da lei?

Isso era uma besteira. Os idiotas da cidade do Mar de Grama eram todos merdas incompetentes e corruptos. O cara Han parecia bom. Alguns dos caras nos escalões inferiores sempre eram. Mas os chefões lá em cima? Esses caras sempre foram uns pedaços de merdas.

Havia uma razão pela qual a Subponte2 basicamente tinha seus próprios guardas para as pessoas reais da cidade. Isso e os Guardas Marinhos de Grama não patrulhavam os lugares realmente ruins. Eles sabiam que vagar pelos becos era uma boa maneira de serem esfaqueados.

Ele olhou para o resto da gangue, a maioria dos quais ouvia atentamente o inspetor. Seu braço ainda estava na tipoia e ele suava um pouco, mas ainda falava como se fosse igual a eles… e Xiulan estava deixando.

Trapos suspirou. Ele sabia que seria derrotado na votação se mencionasse apenas tirar sua bunda dali. Mesmo que ele fosse o chefe aqui, dizer ao seu povo para ir contra a decisão original não era algo que um verdadeiro líder fizesse levianamente. Você tinha que ter certeza.

Mas isso não significava que ele não pudesse reclamar um pouco…

“Não vejo por que precisamos desses caras. Posso reunir os rapazes para a escória e depois vamos a todos os lugares ao mesmo tempo. Nada dessa porcaria de ‘negociação’.” Trapos resmungou.

“Eu pensei que você estava tentando se tornar honesto?” Garoto Barulhento questionou com um sorriso malicioso de seu lugar ao lado de Trapos, encostado na parede.

Trapos bufou. “Há algo honesto, e então há algo honesto, certo?”

Seu melhor amigo olhou para ele, considerando suas palavras – realmente considerando suas palavras, como se Trapos fosse inteligente, em vez de apenas agradá-lo como a maioria das pessoas fazia – e assentiu.

“Sim. Eu entendo. Os guardas são idiotas na maior parte do tempo.” Trapos sorriu com as palavras de Garoto Barulhento. Claro que seu amigo entendeu. Ele entendia como o mundo funcionava. “Mas, bem, Xiulan e Tigu parecem pensar que esta é a melhor maneira…”

O sorriso de Trapos desapareceu novamente. Claro, seu amigo teve que trazer a razão para isso. E ele estava certo. Mas ainda…

“Eu só quero esmagar esses caras. Foda-se o procedimento.”

“Eu entendo seus sentimentos, Trapos. Não pense nem por um momento que não desejo simplesmente separar suas cabeças de seus ombros.” Xianghua disse, sua voz entrando na conversa silenciosamente. Foi um pouco estranho não ouvi-la gritar ou rir, e ver seu rosto preso em uma expressão vazia como essa foi honestamente um pouco enervante. Mas… um de seus companheiros estava concordando com ele. Ele viu Tigu olhar para trás e acenar com a cabeça, tendo ouvido seus resmungos.

“Eu sei que há uma razão, é apenas frustração”, ele suspirou.

Xianghua se virou para ele. “Isso é. No entanto, o que aconteceria se simplesmente destruíssemos tudo em nosso caminho?”

Trapos piscou com a pergunta, Garoto Barulhento abriu a boca para responder, antes de fazer uma pausa, olhando para Trapos e depois lhe dando uma cotovelada – o que ele começou a fazer quando ensinou Trapos a ler e queria que ele respondesse a uma pergunta.

Esse bastardo, sabendo a resposta, mas fazendo-o trabalhar para isso. Trapos delegou enigmas e perguntas estranhas a Minmin, seu segundo. Ele era mais um executor do que um pensador. Dê a ele um problema que ele precisava para resolver todos os seus meninos e eles cavalgariam rindo até o pôr do sol. Ter que explicar, não, articular-se quando não era o momento era um pé no saco.

Ele deu uma cotovelada no bastardo, mas realmente pensou sobre isso, franzindo a testa. Bem, o problema estaria resolvido. Eles teriam um monte de putas mortas, mansões fumegantes e escravos libertos. Parecia um bom negócio para ele.

Mas todos os outros pensaram claramente que essa não era a resposta certa, então ele teve que pensar em outra coisa. Por que eles estavam trabalhando com um homem da lei? Eles não precisavam dele, exceto por… oh.

“Para mostrar que não somos apenas arruaceiros, somos verdadeiros chefes?” Apenas um filho da puta estúpido simplesmente quebrava cabeças e esperava respeito. “Que somos legítimos, quero dizer, somos legitimados?” Ele se aventurou, e Xianghua acenou com a cabeça em sua resposta, um pequeno sorriso enfeitando seus lábios. Merda, ela era bonita quando fazia isso, mas era uma mulher comprometida, e Trapos não era um cachorro. Bro Gou Ren era um cara legal, e agir contra sua mulher ia contra o código. Ele desviou os olhos dela para Garoto Barulhento, que também parecia satisfeito. Trapos fez uma careta para esconder o orgulho. Ele estava ficando melhor nessa merda. Ler aqueles pergaminhos chatos realmente ajudou!

“De fato. Poderíamos matar todos eles. Seria mais fácil do que capturá-los. Mas que tipo de mensagem isso enviaria às pessoas da cidade?” Xianghua perguntou. “Seríamos apenas mais cultivadores, fazendo o que quiséssemos. Mesmo quando a verdade fosse revelada, ainda teríamos massacrado centenas de pessoas – o choque e o medo provavelmente teriam anulado qualquer sentido do que tínhamos feito. Fazendo isso da maneira certa, da maneira legítima…?”

Viu? Agora esse motivo fazia sentido. Ainda era novidade que as pessoas realmente explicassem merdas – especialmente os cultivadores. “Isso nos torna diferentes.” Ele disse.

“De fato. E o nosso jeito deveria agitar as coisas, não é?” Xianghua perguntou.

Trapos assentiu hesitantemente. Ele ainda estava um pouco desconfiado em confiar nesse cara.

Tanhui não gostaria de trabalhar para um homem da lei. A orquídea matadora de demônios? Bem, isso era outro assunto.

Trapos suspirou, considerando sua situação… quando a porta se abriu e uma mulher entrou carregando uma pilha de papéis.

“Mister Inspecta, tenho tudo aqui para você.” a mulher disse. Ela tinha cabelos loiros sujos com dreadlocks e presos por uma bandana vermelha.

Uma mulher que parecia familiar, mas a última vez que a viu ela era uma criança, em vez de… Bem, uma mulher. Ela deve ter crescido um metro desde a última vez que ele a viu!

Trapos teve que olhar duas vezes.

“Pequena Lao, você é?!” Ele demandou.

Os olhos de Lao se arregalaram quando ela ouviu o nome. “Eu não sou pequena!” Ela disparou reflexivamente, girando para encarar Trapos… quando seus olhos também se arregalaram. “Bastardo dos Três Pais! Irmão Chou, é você?!”

Como diabos Lao acabou trabalhando para um homem da lei?!

==========================

Para surpresa de Trapos, a reunião foi interrompida em grande parte, para que Lao pudesse contar sua história.

“…então descobri que ele estava investigando as pessoas desaparecidas, bem, eu tinha que ajudar. Eu o levei para dentro do complexo, peguei algumas cartas e saí, mas um guarda o encontrou. Estávamos correndo, mas eles eram bons atiradores. Achei que estava perdido antes que o Mister Inspecta cortasse três flechas no ar… antes de acertar a última no ombro.” Lao narrou sentada ao lado do Inspetor Especial. Ela tinha um sorriso brilhante no rosto enquanto olhava para o homem. Era a história de um encontro casual entre um dos ladrões silenciosos das favelas e um homem da lei saído de uma daquelas estranhas histórias de romance que tanto Garoto Barulhento quanto Minmin gostavam… embora Garoto Barulhento tivesse que lê-las em voz alta para ela. Eles se uniram para tentar obter informações sobre a rede de escravidão, receberam um monte de cartas e foram pegos. Levando o Inspetor a pular na frente de um conjunto de flechas que teria matado Lao.

Os nobres simplesmente não faziam isso pelo povo da Subponte.

“Você pegou uma flecha por ela?” Ele perguntou ao inspetor, com a voz séria. Isso era uma dívida. Uma dívida real, o tipo de dívida que unificou as gangues durante anos. O homem se mexeu desconfortavelmente.

“Eu não pretendia me machucar. Eu perdi a última flecha.” O inspetor disse com tristeza. “Meu Senhor Pai teria cortado todas no ar, então teria sido capaz de fugir carregando a senhorita Lao aqui nas costas. Ainda estou com falta de minhas habilidades, infelizmente.”

Trapos olhou para o cara. “Seu pai é um cultivador ?”

“Sim, você parece familiar, inspetor.” Tigu disse, semicerrando os olhos para o rosto do homem. “Posso tê-los conhecido antes.”

“Ah, não, ele é apenas um homem normal. Ele vive longe do caminho e evita questões de cultivo.” Ele disse, claramente desconfortável agora: “Foi apenas uma sorte dos céus termos sido entregues por Lady Xinlai.”

A Dama da Água Cinzenta, que estava carrancuda com a proximidade entre o Inspetor e Lao, de repente se envaideceu com o elogio.

“Sim, sem Lady Xinlai teríamos morrido – ela é incrível! Ela derrubou aqueles bastardos assim!”

“Eu não fiz isso por você, idiota”, disse a mulher, parecendo um pouco desconfortável com o elogio de Lao. “O inspetor devia chá a essa jovem senhora e eu não permitiria que ele deixasse sua dívida sem pagar.”

Trapos suspirou ao olhar para os olhos de lua que Lao estava lançando ao inspetor. “Então o chefe Tanhui sabe o que você estava fazendo, não é?” Ele perguntou, já sabendo a resposta.

Lao congelou e corou. Trapos ergueu a sobrancelha para o idiota. “…Talvez? Ele provavelmente está muito preocupado agora. Ele não queria se envolver.”

Trapos suspirou e tomou sua decisão. “Bem, é para lá que iremos a seguir. Para ver se ele nos ajuda. Eles são um pouco rudes, inspetor, mas são leais e verdadeiros. Eles resolverão nossos problemas de mão de obra, se conseguirmos fazê-los concordar.”

“Então teremos que aproveitar essa chance. Eu irei com você. Eles merecem saber no que estão se metendo diretamente por mim.” O inspetor respondeu, com o rosto sério e pronto para partir.

Trapos olhou para o cara. Realmente olhou para ele, procurando por algum sinal de que ele não era honesto.

Mas o homem da lei à sua frente estava falando sério. Sério em realmente defender as leis, em vez de apenas as leis para os bastardos no topo.

De má vontade, Trapos começou a respeitá-lo. “Bom! Um homem deveria ser um homem e dizer as coisas diretamente às pessoas!” Ele deu um tapinha no ombro bom do homem e deu-lhe um aceno firme e viril.

O menino bonito acenou de volta.

“Iremos juntos.” Xiulan disse, enquanto Tigu se aproximava dela. Xianghua e o Sargento Han irão para a Sombra da Flor de Ameixa e verão o que mais podem aprender.”

========================

Foi assim que Trapos se viu conduzindo sua pequena tripulação pelas vielas laterais. Tigu, Xiulan, Garoto Barulhento, Delun, Lao e a Dama da Água Cinzenta juntaram-se ao Inspetor Especial. Todos usavam chapéus de abas largas dos pescadores que navegavam nos Rios Gêmeos. Era uma visão bastante comum, especialmente passando por esses becos. Ninguém lhes daria uma segunda olhada.

Era divertido, ele tinha que admitir, estar do mesmo lado da lei. Ele estava mais acostumado a fugir dos guardas depois de roubar comida de uma das estalagens ricas ou de vasculhar o jardim de especiarias de algum nobre. Como aquele assalto que ele realizou quando a Gangue Farrow deixou a cidade. Eles comiam bem há semanas e ele conseguiu comprar remédios para a vovó Na.

Ele estava feliz por ter ido embora. Ele odiava a Cidade do Mar de Grama  e, a julgar pela aparência de seus amigos, nenhum deles gostava particularmente.

Nenhum deles estava realmente com vontade de conversar ou brincar enquanto serpenteavam pelas ruas laterais, descendo para a cidade. A multidão ficou mais densa e os edifícios mais degradados, até que encontraram o que procuravam.

Um enorme arco de pedra cheio de gente — a entrada principal do lado Norte da Subponte. Tinha a altura de três homens e provavelmente já foi algo lindo. Mas agora qualquer pedra trabalhada estava desgastada pelo tempo. A placa desbotada e desgastada que o chamava de Bei Qiao Xia estava coberta de pichações. Lanternas pendiam em uma confusão de cordas, banhando a entrada com luz vermelha. O túnel em si estava mal iluminado, e as lanternas continuavam por toda a ponte.

“Bem-vindo a Subponte. Fique por perto e observe seus porta-moedas”, alertou Trapos. Ele viu Lao se aproximar do inspetor, com os olhos arregalados.

Eles entraram na entrada, em sua antiga casa e na “rua” principal. A temperatura subiu abruptamente, passando de uma cidade quente, mas agradável, para algo um pouco mais alto do que confortável, especialmente com a umidade que estava.

Eles avançaram no meio da multidão e Trapos sentiu-se um pouco nostálgico. O rugido abafado da cidade parecia ampliado aqui, enquanto os sons de milhares de pessoas conduzindo negócios e vivendo suas vidas ecoavam nas paredes de pedra. As pessoas vendiam seus produtos, os restaurantes cozinhavam e as esposas discutiam entre si enquanto estavam do lado de fora das moradias de pedra. O lugar estava cheio de cheiros de temperos e comida, com o cheiro de suor rançoso e óleo de vela feito dos peixes que viviam nos rios.

Ocasionalmente, uma rajada de vento trazia ar fresco, mas em dias ruins? Começaria a chover. Alguém uma vez lhe dissera que era por causa da água presente na respiração dos homens, bem como do suor. Trapos acreditou.

A rua principal era obviamente mais larga do que Garoto Barulhento e Tigu esperavam, a julgar pelos seus ruídos de interesse – e dividia-se lateralmente numa infinidade de becos e becos sem saída. Afinal, a ponte tinha quase meio Li de largura e era um labirinto de túneis originalmente construídos nos velhos tempos, antes de qualquer cataclismo que tivesse abalado a província.

Agora era o lar dos pobres e desesperados. A rua principal era a melhor parte, mas se alguém olhasse para qualquer beco, veria alguma alma triste pendurada nos céus, sabe-se lá o quê, e logo deixaria o mundo.

Era um lugar de merda, não havia duas maneiras de fazer isso.

“O lugar inteiro é assim?” ele ouviu Tigu sussurrar ao lado dele.

Ele fez uma pausa e olhou para a amiga. Ela estava com a testa franzida, mas ele podia ver a expressão de raiva que ela tinha. Seus olhos estavam fixos em um garoto magro, cujas costelas apareciam pelos buracos da camisa esfarrapada.

“Sim. É um pouco pior do que Cidade do Lago da Lua Pálida, hein?” ele brincou. “A Cidade do Mar de Grama  é o lugar das oportunidades, dizem eles. Então as pessoas chegam em busca de trabalho. Eles procuram crescer… E tudo o que acabam fazendo é alimentar as forjas ou bombear os foles.”

Tigu suspirou. “Não sei como resolver esse problema.” Ela realmente parecia arrependida.

Trapos sorriu para ela. Na verdade, um gato cultivador que se transformou em uma jovem se importava mais com as pessoas do que com os verdadeiros líderes da cidade. Ele deveria ter ficado chocado… mas imaginou que Tigu era especial nesse aspecto.

Tigu se importava. Isso foi mais do que a maioria das pessoas fez. Ela viu um problema e quis resolvê-lo.

Há alguns anos, Trapos teria dito que esta cidade não tinha solução. Afinal, foi por isso que ele reuniu seu povo e partiu.

Mas o que ele diria agora? Ali estava ele, com uma jovem senhora que queria melhorar as coisas, um homem da lei que decidira confiar no povo da Subponte; todos, bem, a maioria deles, estavam em uma missão para unir as Seitas das Colinas Azure.

Ei. Acho que as ações falaram mais alto que as palavras. Ele estava se sentindo muito otimista ultimamente.

“Bem, acho que você será capaz de inventar alguma coisa. Já estamos a caminho de limpar uma grande bagunça, hein?”

Tigu acenou de volta. Os dois olharam novamente para a criança, que de repente se animou, sorrindo e acenando. Outro garoto correu em sua direção, sorrindo da mesma forma. O novo garoto tinha um saco de arroz meio cheio nas mãos e claramente pretendia compartilhar sua recompensa.

Mesmo em um monte de merda, você poderia encontrar algumas pessoas que eram melhores do que suas circunstâncias.

Ele só esperava que seus velhos amigos ainda estivessem onde ele lembrava que estariam.

Trapos continuou avançando, sentindo-se ainda mais confiante do que antes. Eles caminharam por alguns becos sinuosos, antes de chegarem a uma porta que não parecia diferente de qualquer outra porta.

Olhando para uma marcação familiar nele. Ele olhou de volta para Lao, que assentiu.

“Seu show, chefe Chou.” Ela afirmou simplesmente, ficando atrás dele como sua segunda.

Bom.

Ele se aproximou e bateu na porta. Houve um som de arrastar os pés, então uma voz gritou.

“O que você quer?” uma voz rouca exigiu.

“Um irmão da Ponte está querendo se encontrar com o Chefe”, respondeu ele.

Uma fresta esculpida na porta se abriu e olhos desconfiados espiaram… antes de se arregalarem. “Bastardo dos Três Pais!” a voz exclamou, e a fenda se fechou.

Trapos piscou ao sentir que todos olhavam para ele.

“Achei que você tivesse dito que esses eram seus amigos”, disse Garoto Barulhento, parecendo divertido. Lao começou a rir.

Os trapos ficaram vermelhos. “Há algum tipo de mal-entendido…” ele começou, e foi justificado quando ouviu o som de uma fechadura e a porta se abriu, revelando um homem que estava sem um braço.

“Chou, seu idiota!” ele gritou, sorrindo para ele.

“O que é bom, irmão?” Trapos respondeu, sorrindo para Ming. Um da velha guarda. Um homem com mais coragem do que cérebro, para destacar os Ladrões de Face. “É bom ver você de novo… E os meninos”, disse ele, apontando a cabeça para os outros dois homens, ambos armados com lanças. Eles acenaram para Trapos, que acenou de volta.

Ming apertou Trapos pelos antebraços, mas fez uma careta para Lao, que estava olhando para cima e assobiando.

“É bom ver você. Agora, o que você quer? Você nunca aparece a menos que haja algum problema, e também temos alguma merda em nossas tigelas de arroz.”

Trapos riu e coçou a nuca. “Você não está… completamente errado. Preciso ver o chefe. Meus amigos e eu precisamos da ajuda dele.”

Ming franziu a testa. Seus olhos estavam procurando, antes que ele suspirasse. “Tudo bem, senhor cultivador importante, você e seus amigos podem entrar. Bem-vindo ao Salão de Reuniões Comunitárias.” ele terminou com um sorriso.

Ming deixou-os entrar no complexo e passou pelos guardas, que deram os braços a Trapos. Então, eles foram mais fundo. Passaram por várias pessoas, depois por mais algumas pessoas armadas, até chegarem a outra porta. Este só tinha uma cortina cobrindo-o.

“Esta pronto? A maioria dos meninos está dentro”, perguntou Ming.

Trapos assentiu. Ming se virou e passou pela cortina. “Chefe! Recebi convidados importantes e um idiota!

Lao começou a xingar baixinho.

Eles entraram na sala. A última vez que Trapos esteve aqui foi há anos. A sala era dominada por uma grande mesa e, ao redor da mesa, havia homens. Homens de aparência rude, que não pareceriam deslocados se fossem bandidos, em vez da verdadeira força de guarda não oficial que ficava na Subponte.

Mas Trapos só tinha olhos para um homem. Ele estava na cabeceira da mesa.

Há muito tempo, ele era apenas o irmão Tanhui. Antes dos ladrões de rostos. A boca de Tanhui estava carrancuda como sempre, e ele parecia zangado. Assim como sua irmã, Minmin. O segundo em comando de Trapos .

“Chefe Chou,” Tanhui cumprimentou, estreitando ligeiramente os olhos. Ele olhou para Lao.

Tanhui ainda estava chateado porque Trapos não tinha se casado com Minmin, mas eles não eram assim. Ela era tipo, irmã dele! Seria estranho. Dito isto, qualquer outro homem que não quisesse se casar com sua irmã juramentada era um idiota. Ela era forte e gentil, sabia cozinhar, limpar e esfaquear um bastardo que atacasse suas entranhas. Ela era a mulher perfeita! Claro que ela tinha uma cicatriz feia que subia por seu pescoço e rosto, de quando um ladrão quase arrancou seu rosto antes de Trapos matá-lo, mas qualquer idiota que não conseguisse ignorar isso merecia morrer sozinho em uma vala.

Ele afastou o pensamento. Os homens na sala ficaram em silêncio. Todos eles estavam olhando para Trapos e obviamente estavam um pouco nervosos. Todos sabiam que ele era um cultivador agora e estavam se perguntando qual era o seu jogo.

“Chefe Tanhui”, respondeu Trapos, cumprimentando seu colega chefe juntando as mãos. “É bom ver você de novo, irmão.”

O clima na sala relaxou com suas palavras e a inclinação de sua cabeça, mostrando respeito ao Chefe da Subponte.

A carranca de Tanhui ficou ainda menos pronunciada. “Seu cachorro cachorro. Você parece bem!” — gritou seu velho amigo, contornando a mesa para que pudessem abraçar-se. “Agora, o que você quer? Você só me pede coisas, seu bastardo!”

“Isso porque o chefe Tanhui sempre se destaca. Se você não quer que eu confie em você, não seja tão bom nisso!” Trapos respondeu.

A sala explodiu em gargalhadas quando Trapos fez cara de chefe. Ele estava bajulando um pouco seu velho amigo, mas iria pedir muito.

Isso, e Tanhui sempre conseguiu.

“Seu filho da puta…” Tanhui disse com carinho. “Agora fala! Estamos no meio de algo! Por exemplo, como lidar com o que essa idiota fez”, ele rosnou, balançando a cabeça para Lao.

A mulher parecia totalmente impenitente.

“Pedi a ele para marcar esta reunião, chefe Tanhui”, disse o inspetor especial, dando um passo à frente. Ele apertou as mãos e curvou-se ligeiramente.

Tanhui franziu a testa, mas ouviu o inspetor especial delinear seu plano.

============================================

“Você nos quer. Você, o Inspetor Especial das Colinas Azure, quer que meus meninos o ajudem a prender mais de cem nobres e suas famílias?” Tanhui perguntou ao Inspetor Especial.

“Está correto. Pelo poder investido em mim pelo Lorde Magistrado da Cidade do Lago da Lua Pálida, todos vocês seriam formalmente delegados e fariam parte da Milícia da Colina Azure durante o período. Cada ação que você tomar seria completamente legal. Você também não precisa lutar. Só precisamos de homens bons e confiáveis ​​para protegê-los, para que não possam escapar enquanto o resto dos meus companheiros lutam. Você não correrá nenhum perigo”, explicou o Inspetor Especial. “É claro que também providenciarei uma compensação pelo seu tempo e pelo risco para vocês mesmos.”

Tanhui recostou-se na almofada em que estava sentado, pensando claramente. Ele cantarolou, balançando a cabeça para frente e para trás, antes de falar novamente.

“É um bom negócio, senhor inspetor, é um bom negócio”, disse Tanhui, mas embora o inspetor especial parecesse satisfeito, Trapos fez uma careta. “Mas, embora possamos fazer isso… o que acontece depois que você sai?”

O Inspetor Especial fez uma pausa e seus olhos se arregalaram.

“Digamos que nós ajudamos você. Acabamos de nos tornar as pessoas que cuspiram na cara dos nobres. Você volta para Cidade do Lago da Lua Pálida. Estamos todos presos aqui. Então me diga, o que acontece depois que suas proteções desaparecem? Quando os nobres olham para as pessoas que apenas ajudaram a capturar seus familiares e amigos?”

Houve silêncio. Os homens que estavam encostados nas paredes tinham rostos sombrios. Trapos amaldiçoou internamente. Ele apenas lutaria para sair. Tanhui? Tanhui não podia e eles não podiam simplesmente ficar sentados na Cidade do Mar de Grama…

O Inspetor Especial fechou os olhos e suspirou. “Você está correto, chefe Tanhui. Não posso dizer o que acontece depois. Posso tentar ao máximo conseguir mais guardas e mudar as coisas… Mas essa trama é profunda. Se não conseguirmos capturar sequer um, ele possivelmente cairá sobre você.”

“…então não podemos ajudá-lo. Não diretamente.” Tanhui disse. Ele parecia se desculpar.

Trapos, com o canto do olho, viu Xinlai encarar Tanhui. Ele quase podia vê-la gritando “você tem coragem?” para o homem por questionar o inspetor, mas Xiulan colocou a mão em seu ombro. A Folha de Grama manteve o chapéu abaixado, escondendo a maior parte do rosto. Mas agora ela deu um passo à frente.

“Você teme pelo seu povo, chefe Tanhui. Eu entendo”, disse Xiulan, falando pela primeira vez. “Sua preocupação lhe dá crédito. Mas embora o Inspetor Especial não possa dizer o que acontecerá a seguir… eu posso.”

Ela inclinou o chapéu para trás, revelando seu rosto. Ela passou de indefinida a algum tipo de espírito guardião vingativo em um instante. Todo mundo que não estava acostumado com ela engasgou.

“Matadora de Demônios—” Tanhui engasgou quando Xiulan se aproximou do Inspetor Especial e se ajoelhou, como se o estivesse tratando.

“O magistrado da cidade não terá como alvo você. Nem os nobres. Eu lidarei com eles, e os membros da Seita Lâmina Verdejante, da Seita Lago Nebuloso e outros garantirão que nenhum nobre tenha qualquer uma dessas idéias em suas cabeças”, disse Xiulan, sua voz suave, e ainda assim cada palavra foi totalmente cativante. “Eles falharam em seus deveres. Eles atacaram o povo. Para isso, iremos destruí-los. Mas como estamos agora, não podemos ter certeza. Neste momento… temos que pedir que você nos empreste sua força.”

E então Xiulan fez uma reverência. Como quando Mestre Jin se curvou para ele, algo pareceu acontecer em Tanhui. Um cultivador, o matador da Gangue dos Ladrões de Rostos, a Orquídea Matadora de Demônios, estava se curvando para ele e pedindo sua ajuda.

Trapos sabia que quase se cagou quando Mestre Jin fez isso.

Tanhui engoliu em seco. Ele lambeu os lábios.

O líder da Subponte respirou fundo.

“Se você puder fazer isso… Então, Inspetor Especial, teremos prazer em apoiá-lo”, disse ele.

Ele se levantou e caminhou em direção a eles. Ambos ficaram de pé também. Ele e o inspetor especial apertaram os braços, selando o acordo.

Ele fez uma pausa quando se virou para Xiulan, sem saber como se dirigir a ela adequadamente.

Xiulan estendeu a mão para um homem das favelas – não uma saudação marcial entre praticantes. Não é uma exigência de reverência de um inferior.

Ela estendeu a mão para apertar os antebraços como se Tanhui fosse igual.

Tanhui estendeu a mão e pegou a mão de Cai Xiulan.

Trapos sabia que estava assistindo ao início de outra lenda enquanto os meninos olhavam com os olhos arregalados.

===================================

Trapos ficou um pouco mais para trás enquanto o resto dos meninos saía para reunir todo mundo.

“Ela está falando sério?” Tanhui perguntou sem preâmbulos. Ele sempre foi desconfiado. Mesmo depois de concordar, ele estava claramente se perguntando se havia feito a escolha certa ou se as palavras dela tinham sido apenas algo bonito para fortalecê-los.

“Absolutamente. Eu não a estaria seguindo se ela não estivesse,” Trapos respondeu facilmente.

Tanhui congelou com as palavras.

“O que ela prometeu a você, Chou, para segui-la?”

Chou olhou para o teto antigo.

“Chega de ladrões de rostos. Não há mais Sun Kens. Chega de pequenas guerras entre seitas que pegam pessoas como nós no fogo cruzado.”

Os olhos de seu velho amigo se arregalaram. “…e você acredita nela?”

“O suficiente para apostar minha vida nisso”, respondeu Trapos com um sorriso.

Chou viu um brilho de algo que nunca tinha estado nos olhos de Tanhui antes.

Esperança.

==========================

Poucas horas depois, um verdadeiro exército surgiu da Subponte. Todos os homens usam uma faixa azul nos braços.

A cidade tremia enquanto eles marchavam, com os olhos brilhando de determinação.

  1. se preparem pq vcs vão ler essa palavra mais 58 vezes nesse capítulo[]
  2. Sob a ponte, embaixo da ponte. Antes eu traduzi como ponte subterrânea mas não faz nem sentido. Dito isso Subponte é feio pra k7[]
Picture of Olá, eu sou o Cybinho!

Olá, eu sou o Cybinho!

ia traduzir 2 hj, mas esse capítulo é gigante

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥