Selecione o tipo de erro abaixo

O número um rapidamente disparou uma bola de fogo no orc que por sua vez deslizou seu corpo para o lado, mas não o suficiente e a bola de fogo explodiu o antebraço dele.

Mas, esse ataque não o fez desistir e, atravessando a cortina de fumaça negra com seu corpo musculoso, ele surgiu correndo novamente.

Percebendo que a bola de fogo não foi tão eficaz, o número um posicionou o número dois e três lado a lado, com uma distância de cinco metros entre eles.

Vários disparos foram feitos contra o seu oponente, mas as bolas de fogo foram como algodão para o monstro musculoso, que rapidamente encurtou a distância e desferiu um soco no rosto do número um.

O lich foi lançado para cima dos esqueletos. Marc e Sleek rapidamente o agarraram, mas quando olharam, a cabeça do seu companheiro havia desaparecido.

“Número dois e três, disparem a bola de fogo azul nas pernas dele”, ordenou o portador da morte telepaticamente.

Os dois liches se distanciaram ainda mais um do outro e, então, bolas de fogo azul explodiram na parte inferior do monstro, Drake e seus subordinados recuaram devido à explosão.

Novamente, uma explosão devastadora ocorreu, mas não tão poderosa quanto a explosão no acampamento goblin. O orc estava caído no chão, sem suas duas pernas.

“Número dois e três, recuem, fiquem longe o máximo possível. Assim que ele se levantar, atirem”, ordenou Drake telepaticamente, até que ele ouviu uma gargalhada vindo da espessa nuvem de fumaça.

— Hahaha! Gobbletooth gostou disso, Gobbletooth quer lutar mais, a fumaça negra se dissipou, revelando o orc de pé como se nada tivesse acontecido.

Experimentando o sentimento de dor pela primeira vez desde que entrou nessa floresta, em uma batalha que era mortal.

“Número quatro, cinco e seis, fiquem em posição. Número dois, agora você lidera o ataque”, ordenou Drake telepaticamente.

Os três liches avançaram e dispararam bolas de fogo em todo o corpo do seu oponente.

Goblletooth ergueu o braço para defender seu rosto. O número três se posicionou atrás dele, enquanto o número dois continuou na sua posição original e disparou bolas de fogo.

O orc não conseguia enxergar devido às múltiplas explosões. Rachaduras em formato de teia de aranha foram surgindo no chão e o ambiente estava começando a ficar quente, como se estivesse no auge do verão.

“Parem”, ordenou Drake telepaticamente, Ele desceu do cavalo e caminhou até Gobbletooth, que estava caído no chão novamente.

Após alguns segundos ele chegou e perguntou: — Você gostaria de matar alguns humanos? 

O orc virou a cabeça e disse: — Gobbletooth falar com cadáver? Seu corpo começou a se regenerar.

— Vamos dizer que sim, então o que diz?

— Gobbletooth gostar de matar humanos. Então, ele se levantou e ficou de frente para o cadáver.

— Então, isso é um sim? Perguntou Drake.

— Cadáver derrotou Gobbletooth, Gobbletooth vai seguir cadáver.

“Agora tenho um aliado com pouca inteligência e muita força bruta”, pensou. O cadáver.

Ele suspirou fundo e murmurou: — Preciso avisar a Beatrice que acabei aqui.

— Vamos voltar para a vila, disse ele. Gobbletooth ficou meio perdido, mas o seguiu no final.

****

Enquanto isso, na vila, Thaddeus e três mortos-vivos criminosos, trabalhavam derrubando algumas árvores.

Beatrice estava utilizando os treze monstros para realizar diversas tarefas, como o trabalho e a proteção da vila.

Assim que assumiu o comando dos monstros, ela ficou sem saber o que fazer. Mas logo a ideia de usá-los surgiu em sua mente e, com isso, a vila teve um pequeno processo.

Nas primeiras horas, foi estranho para todos quando monstros estavam saindo e entrando na vila.

— Vocês podem deixar esse aí mesmo, vou à vila pegar uma carroça, disse Thaddeus, tirando o suor da testa.

Até que um dos mortos-vivos largou seu machado e ficou parado.

“Você está me ouvindo?” perguntou ele.

“Sim, melhor”, respondeu o morto-vivo.

“Bom, bom, a distância não importa, diga para a Beatrice que estava tudo feito por aqui”, ordenou Drake.

Dito isso, o morto-vivo deixou a floresta, e Thaddeus ficou meio atordoado com essa ação repentina.

— Eu que não vou tentar impedir ele, murmurou ele, coçando a cabeça. Ele suspirou fundo e ocupou o lugar do monstro que saiu.

*****

Os dois guardas abriram o portão, e o morto-vivo entrou na vila. Ele caminhou por alguns segundos até encontrar a líder.

Ela virou um pouco confusa até que o morto-vivo falou: — Meu senhor disse que o problema com o orc já estava resolvido.

— Entendo, pode voltar para onde você estava, ordenou Beatrice.

“Então, ele realmente matou aquele monstro”, pensou ela. 

Ela tinha suas incertezas se o monstro estava realmente morto ou não, mas vindo de outro monstro que conseguia controlar esqueletos e mortos-vivos, era algo diferente.

Suspirando fundo e continuando a trabalhar, afinal ela ainda era a líder. No momento, ela estava supervisionando os mortos-vivos, que estavam cavando pequenas covas para plantar as sementes em um futuro próximo.

A área de plantações tinha dez mil metros quadrados. O líder anterior não queria mudar porque sabia que seria uma tarefa árdua alcançar tal meta, e com o reino de Lasco roubando homens, era impossível para poucas pessoas.

“Talvez, se eu implorar, ele deixe esses mortos-vivos aqui”, pensou ela, cerrando os punhos. Ela saiu dos seus pensamentos quando ouviu uma voz.

— Hum, eles são assustadores, mas fazem um bom trabalho, disse o homem que era responsável por cuidar de todas as plantações. Ele tinha 1,60 de altura, olhos castanhos claros e pele negra, seu nome era Sebastian Bauer.

Beatrice virou a cabeça e viu que era Sebastian. — Oi, Sebastian, verdade, se fosse em outra ocasião, eu teria fugido

Antes que Sebastian pudesse falar alguma coisa, ela continuou: — Já podemos ir para o norte, vou mandar dois mortos-vivos disponíveis para ir com você.

— O QUÊ?gritou Sebastian. Ele rapidamente voltou ao normal quando viu que todos olhavam para ele. “Cof, cof”, Sebastian tossiu e disse: — Desculpe, líder, eu entendo. Tem quantos deles sobrando?

— Deixa eu ver, Thaddeus está usando três para cortar algumas árvores. Aqui na plantação tem oito. Dois estão com o escravo que chegou com aquele monstro, se me lembro bem, ele disse ser carpinteiro, disse ela.

— Sério, carpinteiro? Como ele virou escravo? Perguntou Sebastian.

— Não sei, mas isso não importa muito agora. Ela parou, encheu os pulmões de ar e gritou: — Dois mortos-vivos, venham aqui.

Assim, dois que estavam nas plantações aproximaram-se de Beatrice e Sebastian. Após alguns instantes, dois esqueletos pararam diante deles.

— Podem ir agora, disse a líder.

Sebastian não disse nada, apenas acenou com a cabeça e saiu com os dois esqueletos.

Os guardas do portão principal viviam reclamando da falta de movimento, agora, eles estavam com saudades dos dias de sossego e tranquilidade.

— Não aguento mais abrir e fechar esse maldito portão, murmurou o segundo guarda, fechando o portão novamente.

— Se algo acontecer por causa dessa sua boca, eu te mato, disse o primeiro guarda.

Picture of Olá, eu sou o Erick. Ks!

Olá, eu sou o Erick. Ks!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥