Selecione o tipo de erro abaixo

Swish! Bang!

Lerona saltou entre os Nagalus, enquanto era perseguida por três Orcs Líderes, que não saiam de seu encalço. Nesse ponto, a Capitã já estava desiludida sobre seu destino.

Enquanto fugia e lutava, observou seus homens morrerem, um a um. Além disso, a frente da Cavalaria Blindada já estava quase tomada pelos Orcs, fazendo com que a velocidade fosse, aos poucos, desacelerando, e os ataques pelos lados se tornassem cada vez mais perigosos.

Somado a isso, o Orc Lorde que havia assassinado Rayzor, manteve-se próximo à frente, sem se mover, apenas em pé em cima de um Nagalu sem cavaleiro. Ao seu redor, todos os Humanos já haviam sido mortos, restando apenas suas montarias, que continuavam correndo incansavelmente.

Isso havia criado um fosso, onde Lerona e os outros membros não conseguiam auxiliar aqueles que estavam na frente.

Se isso continuasse, seria apenas questão de tempo até que a cavalaria perdesse força e fosse aniquilada, ou os Orcs virassem a esquerda, rumando para o meio do exército deles, culminando no mesmo resultado.

“Capitã, eu v-” Um cavaleiro gritou, tentando atacar um dos Orcs Líderes que a seguia, mas foi facilmente decapitado por uma das criaturas.

Vendo isso, a lanceira sentiu seu sangue ferver. Ela sabia que não escaparia com vida. Já estava difícil lutar com os Orcs Líderes, mas o velho Orc Lorde Soberano estava não muito longe, observando tudo como se estivesse vendo um show.

Eu vou levar ao menos um de vocês comigo! pensou, parando abruptamente nas costas de um Nagalu e apontando sua lança em direção ao pescoço do inimigo mais próximo.

Seu movimento fluído foi tão rápido, que pegou a criatura de surpresa. Rapidamente o Orc tentou se defender, erguendo seu machado, mas a sua frente, uma série de flashes vermelhos-roxo brilharam, confundindo sua visão.

Swish! Perfura!

Com olhos determinados, a mulher ruiva avançou, usando os flashes de sua Magia de Luz para misturar-se ao seu ataque, criando ilusões visuais de ataques. Então, antes que a criatura conseguisse entender qual imagem era real ou falsa, sua lança surgiu de forma impetuosa, com um movimento ascendente, num ângulo de cinquenta graus, atingindo o queixo do Orc e atravessando sua cabeça.

A criatura simplesmente não esperou que o ataque viesse por baixo, então morreu sem reação alguma.

Com sua lança fincada na cabeça de seu inimigo, Lerona fechou os olhos, com um sentimento de satisfação e aceitação. Satisfação por matar ao menos um deles, e aceitação, pois sabia que ela também morreria.

A sua frente, os outros dois Orcs vinham em alta velocidade, um estava erguendo um machado largo, enquanto o outro usava duas machadinhas curtas. Não havia mais como escapar ou reagir, apenas aguardar a morte.

Bam! Bam!

Enquanto Lerona estava com os olhos fechados, ouviu dois poderosos estrondos, que forçaram-na a abri-los novamente.

Q-que isso? pensou, ao perceber que a dor da morte não havia chegado.

Para sua surpresa, quando olhou para frente, viu um dos Orcs Líderes, que estava prestes a tirar sua vida, com a ponta de uma lança atravessando seu peito ensaguentado. Enquanto o outro, caiu para o lado, sem cabeça, seu corpo sem vida sendo engolindo no vão entre dois Nagalus.

Swish!

A lança foi puxada com rapidez e firmeza, fazendo com que o outro Orc Líder caísse morto sobre um Nagalu. Um homem caucasiano, alto e forte, surgiu por trás do corpo. Esse era o Capitão Boris, da Cavalaria de Lagartos Tarky!

“Você… O qu-” A mulher estava prestes a perguntar o que o homem estava fazendo ali, já que a Cavalaria Tarky estava muito atrás da Nagalu e ele deveria estar liderando-os.

“Não temos tempo.” Boris disse, com uma expressão dura. “Ordene que seus homens quebrem a formação, bem aqui.” falou, apontando para a área em que estavam, muito atrás do fronte, onde um pequeno número de soldados ainda lutavam para manter o controle da ponta frontal da Cavalaria Blindada.

Ouvindo isso, Lerona ficou estarrecida.

“Está louco? Se fizermos isso, eles vão ser…”

“Eles já estão mortos, mesmo se vencermos aqui, quem vai conseguir passar por ele?” Boris respondeu, interrompendo-a e apontando para o Orc de barba grisalha ao longe, que permanecia parado, com uma expressão de tédio.

O espaço onde ele estava se tornou um espaço ‘vazio’, todos os Nagalus ali tiveram seus cavaleiros mortos, apenas seguindo a manada, mas atrás dele, na parte frontal da cavalaria, cerca de trezentos cavaleiros, ainda vivos, lutavam com um pequeno grupo de Orcs Dobats comuns, para manter o controle da formação.

Lerona congelou quando ouviu aquilo. Ver o rosto daquela criatura criou um misto em seu ser. Ao mesmo tempo, em que estava cheia de ódio e desejo de vingança, também estava cheia de terror e medo. Ela sabia que se mesmo um poderoso Major como Rayzor havia sido morto tão facilmente, eles não conseguiriam sequer arranhar aquele monstro.

“Capitã Lerona, com a morte do Major, você é agora a comandante da Cavalaria Blindada Nagalu, e também a comandante dessa investida. Preciso da sua ordem!” Boris insistiu, com um senso de urgência.

Ouvindo isso, Lerona parou por um momento, olhando para longe, onde os bravos soldados ainda resistiam. Seu coração se angustiou, fazendo-a apertar firmemente sua lança.

Mesmo sabendo que não era correto, que não esqueceria dessa decisão pelo resto de sua vida, ela acabou por aceitar isso.

“Cavalaria! Destacar ao meu comando!” A Capitã gritou, em plenos pulmões, na comunicação, quando saltou, tomando o controle de um Nagalu sem cavaleiro.

Assim que o fez, os vários soldados, Tenentes e outros membros, principalmente aqueles que estavam na parte frontal, pararam por um momento, como se para assimilar a ordem.

“I-isso, não pode ser…” Aqueles que estavam na frente finalmente entenderam o que estava acontecendo e mesmo aqueles atrás também sabiam o que ocorreria a seguir.

Com as mãos trêmulas, Lerona apertou as rédeas do Nagalu, e começou a guiá-lo para frente.

Dois dos sete Orcs Líderes restantes, que estavam massacrando alguns soldados, quando viram isso franziram a testa, rapidamente correndo em direção a ela.

Os outros Orcs Líderes próximos também sentiram que algo estava errado e queriam voltar, mas foram rapidamente impedidos pelos Tenentes e Subtenentes ainda vivos, usando suas vidas para impedir que as criaturas fossem até sua Capitã.

“Eu cuido disso! Continue!” Boris gritou, erguendo sua lança e voando em alta velocidade em direção aos dois inimigos que passaram.

“C-capitã, ainda estamos aqui, ainda estamos vivos!” Os soldados na parte da frente gritaram, desesperados.

“Estão nos abandonando? Nós vamos morrer!”

Lerona ouviu as várias súplicas, com um gosto amargo na boca.

Quando ela fizesse a quebra de formação, iria guiar a maioria da cavalaria de Nagalus para fora do exército Orc, abandonando aqueles que estavam no fronte.

O resultado para isso era apenas um, os trezentos homens na parte da frente ficariam totalmente isolados, em meio ao mar de cabeças verdes de Orcs. No fim, seriam eventualmente engolidos por seus números.

Enquanto Lerona sentia o peso de suas ações, junto as súplicas daqueles na parte da frente, uma voz dissonante dentre eles soou.

“Faça isso, faça agora Capitã, não hesite!” Um sujeito de meia-idade, o único Tenente vivo na parte da frente, disse. “Olhem em volta, nós já somos todos homens mortos! No lugar de choramingarem feito mariquinhas e tornarem isso difícil para a Capitã Lerona, façamos jus a Cavalaria Blindada Nagalu do Major Rayzor, e morramos com glória!”

Quando o Tenente disse isso, todos que estavam implorando acalmaram-se. Nesse ponto eles finalmente entenderam que essa decisão também não era fácil para Lerona, a mulher que eles seguiam, a Lança Boreal.

“Não se preocupe Capitã, nós diremos ao Major que você fez o melhor que pôde!” Um Soldado disse, na comunicação.

“Vamos levar o máximo deles conosco, esses malditos Orcs!” Outro gritou.

“Capitã, eu só lamento não ter te pedido em casamento, lembre-se de mim!” 

“A Lança Boreal não deve cair aqui, vá! Viva a Cavalaria Blindada!”

Várias vozes gritaram na comunicação, numa mistura frenética e confusa, não havia mais choros ou pedidos de ajuda.

Antes que Lerona pudesse perceber, lágrimas quentes desceram, percorrendo suas bochechas. O peso das rédeas em suas mãos, era o da vida desses trezentos homens.

Vários soldados da parte de trás incitaram Nagalus em direção à mulher, ficando próximos para auxiliá-la.

“Capitã…” Um dos homens exclamou.

Atrás deles, Boris estava usando tudo que tinha para lutar com os dois Orcs Líderes, diferente de antes, quando ele pegou as criaturas de surpresa, esses estavam completamente focados, se isso continuasse, ele logo seria derrotado. Os Tenentes e Subtenentes restantes também estavam em seus limites, eles não tinham muito tempo!

“Destacar!” Lerona gritou, sua voz rouca e melosa.

Quando a ordem foi dada, os soldados incitaram seus Nagalus para o lado, a partir das duas pontas, afunilando o corredor. Enquanto isso, Lerona guiou sua montaria para o centro da Cavalaria Blindada, enquanto forçadamente a fazia desacelerar, para que se distanciassem da parte frontal, onde o Orc Lorde e os trezentos soldados estavam.

Em pouco tempo, os Nagalus sem cavaleiros da frente começaram a se afastar, enquanto Lerona e os outros soldados, que estavam criando uma nova formação de ponta, ficavam para trás.

Naquele ponto, a Cavalaria Blindada se separou em duas, com uma nova formação na parte de trás, liderada pela Capitã, guiando as montarias para a direita, para escapar do meio do exército Orc, enquanto a outra, com os trezentos soldados, seguiu, sozinha, em frente, com um exército de Nagalus, sem cavaleiros, seguindo-os.

Augak, que viu tudo isso acontecer, enquanto estava na parte de trás, onde havia os Nagalus sem mestre, tinha uma expressão calma e brincalhona.

Após matar o comandante inimigo, sentiu que estava muito abaixo dele lidar com as formigas inferiores, então apenas as observou se contorcendo, pois para ele, nada mudaria.

Foi por isso que ele esperou, pois sentiu que seria muito mais divertido desperdiçar todo esse esforço, apenas para esmagar suas esperanças no final. Mesmo com a cavalaria se separando, para ele, um Orc Lorde, era simplesmente muito fácil alcançá-la novamente se quisesse.

Lerona observou, ao longe, afastando-se a esquerda, o Orc Lorde que havia matado Rayzor, com olhos cheios de ódio e lágrimas.

Se eu escapar viva, você vai pagar por hoje, pelo que fez e pelo que me fez fazer! A mulher gritou, mentalmente.

Boris, que lutava contra os dois Orcs Líderes, viu a parte frontal da cavalaria se afastando cada vez mais. Seus olhos se apertaram, quando ele enviou uma mensagem em seu cubo comunicador.

“Estamos prontos.”

Assim que ele disse isso, após poucos segundos, tudo se tornou vermelho, quando gigantescas torres de fogo levantaram-se no céu.

Lerona, Boris e toda a cavalaria, observaram em choque, quando a partir do Leste, um mar de chamas desceu, em direção à parte destacada, que seguiu em frente.

BOOOOOOOM!

Poderosas ondas de mana e fogo engolfaram os trezentos soldados destacados, onde estava o Mestre do Clã, varrendo tudo em seu caminho.

Até perto do fim, Lerona ainda podia ouvir suas vozes de encorajamento na comunicação, até que tudo caiu em silêncio.

Olá, eu sou o Glauber1907!

Olá, eu sou o Glauber1907!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥