Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 05/115


Condado de Chester Leste, a mansão da família Hall.

Audrey sentou-se à penteadeira e acendeu uma vela.

Depois, ela se olhou no espelho em frente à luz levemente oscilante do fogo. Seus olhos verdes gradualmente se tornaram profundos, tornando impossível para qualquer que fizesse contato visual desviar os olhos, como se até mesmo suas almas quisessem se afogar neles.

— Audrey, você tem que permanecer lúcida esta noite no sonho, — ela disse para si mesma suavemente.

Esta foi uma simples influência psicológica.

A antiga canção folclórica que ela ouviu ao anoitecer a inspirou a explorar seus sonhos e ver se poderia entrar no mar do subconsciente e no céu espiritual de todas as coisas vivas.

Esta foi uma experiência que outros psiquiatras nunca haviam tentado. Pelo menos, não houve experiências semelhantes nos materiais de referência fornecidos pelos Alquimistas da Psicologia — dar a si mesmo uma influência psicológica para explorar os seus próprios sonhos.

“Talvez eu consiga encontrar vestígios de um dragão mental ou até mesmo da Cidade dos Milagres, Liveseyd…” Audrey desviou o olhar; removeu a Mentira1, que agora tinha a forma de um colar de rubi; e a colocou dentro de uma caixa de joias.

Ela estava com medo de que o item místico que amplificava suas emoções a afetasse durante o sonho e causasse danos desnecessários; portanto, removeu-o antecipadamente por precaução.

Depois de fazer tudo isso, Audrey subconscientemente olhou para seu reflexo no espelho e viu pequenas manchas em seu rosto.

Enquanto usava a Mentira, esentiu que sua beleza era inebriante.

“Acorde, Audrey. Isso é apenas uma mentira!” Ela ergueu a palma da mão direita e acariciou sua bochecha.

Naquele momento, ficou muito feliz por ter escolhido o nome Mentira para aquele item místico. Isso a mantinha constantemente alerta; caso contrário, temia que um dia fosse completamente dependente dela e não enfrentaria sua verdadeira eu. No dia em que ela a perdesse, seria muito possível que perdesse o controle.

“Aquelas garotas que têm uma aparência relativamente comum podem nunca mais querer tirá-la depois de usar a Mentira para aperfeiçoar sua aparência. Elas podem estar dispostas a morrer para manter isso com elas… Como Beyonder, eu também não posso ter tal estado de espírito…” Audrey suspirou e se levantou.

Ela caminhou rápida e ansiosamente pelo quarto quente, em seu roupão de seda, de volta à cama macia, confortável e flexível, e puxou uma corda da cabeceira da cama.

Sua criada pessoal, Annie, entrou e apagou suavemente as luzes.

Em pouco tempo, Audrey adormeceu.

No mundo nebuloso, ela de repente recuperou os sentidos e percebeu que estava sonhando.

Ela olhou em volta com interesse e disse silenciosamente para si mesma: “Isso é conhecido como sonhos lúcidos em psicologia?”

No misticismo, existe um conceito semelhante.

“É realmente eficaz. Confiei em uma simples influência psicológica que plantei em mim mesma para ter um sonho lúcido. Audrey, você é realmente uma gênio ~ Não, não, não, isso é principalmente uma aplicação de um poder Beyonder. Não devo ser arrogante.”

Neste momento, Audrey já havia descoberto qual era o sonho atual.

Ela estava caminhando por uma estrada estreita e escura cercada por uma floresta escura, e à sua frente estava o castelo com suas torres.

Os uivos prolongados dos lobos, os suspiros lentos e assustadores e os gritos estridentes e intermitentes vinham de todas as direções, criando uma atmosfera perigosa e deprimente.

“Ainda não superei o medo do assassinato do Duque Negan. Ainda tenho medo de que um dia muitos Beyonders ataquem repentinamente meu pai, minha mãe e meus irmãos…” Audrey dissecou seus sonhos do ponto de vista de um psiquiatra.

Nesse sonho estranhamente real, ela caminhou lentamente em direção ao castelo que era quase idêntico à casa ancestral da família Hall.

Enquanto caminhava, uma figura saltou de repente da floresta escura. Era um dragão gigantesco com escamas douradas por todo o corpo. Seus olhos eram dourados claros com pupilas verticais e sua cauda grossa parecia capaz de aniquilar tudo.

As características faciais deste dragão eram exatamente iguais às de Audrey. Quando emparelhado com seu corpo, exalava uma sensação indescritível de estranheza e horror!

Audrey deu um pulo de susto, quase acordando do sonho. Felizmente, por ter sido Espectadora antes, conseguiu estabilizar suas emoções a tempo.

Isso a fez perceber que nunca havia esquecido como quase perdeu o controle quando consumiu a poção Psiquiatra. Naquela época, seu alívio e a melhora em seu humor eram apenas superficiais. O trauma já havia se enraizado nas profundezas do seu subconsciente e ocasionalmente se refletia em seus sonhos.

“Felizmente, descobri isso hoje. No futuro, posso tentar tratar esse trauma no meu subconsciente. Sou uma Psiquiatra! Se eu continuar a ignorar esta questão, posso perder o controle devido a esse medo ao avançar para a Sequência 6…” Audrey examinou-se cuidadosamente.

Enquanto caminhava e parava, o sonho de Audrey continuava mudando de forma errática. Teria sido considerada uma história bastante insatisfatória.

Finalmente, ela chegou na frente do castelo e viu um cajado mágico movendo o ar, espalhando partículas de luz que eram tão resplandecentes quanto a luz das estrelas.

O castelo envolto em luz tornou-se instantaneamente magnífico e toda a escuridão desapareceu.

A melodia de uma banda saiu de dentro do castelo enquanto uma luminária de parede após a outra se iluminava.

“Essa foi a expectativa mais linda que eu tive em relação aos poderes Beyonder logo no início… Era realmente uma fantasia de garotinha…” Os cantos da boca de Audrey se curvaram e seu humor mudou para melhor.

Ela não parou, mas passou pelo castelo até o limite de seu sonho. Não se importava com a forma como a cena atrás dela mudava ou como a história se desenrolava.

Depois de caminhar por um período de tempo desconhecido, ela passou pelo deserto estéril e chegou ao topo de um penhasco.

Olhando para fora, o vazio cinzento e embaçado se estendia ao longe. A área abaixo dela era tão profunda que parecia não ter fundo.

Audrey tinha plena consciência de que esse era o limite dos seus sonhos. Se saísse, ela não tinha ideia do que aconteceria.

“E como faço para sair? Saltar para baixo? Será que vou cair para a morte…” Audrey pensou sem jeito, sem muita coragem em assumir o risco.

Depois de pensar por alguns segundos, lentamente teve uma ideia.

“Esta é uma terra dos sonhos que se origina do mundo da minha mente. Como dona deste lugar, posso usar minha vontade para abrir um caminho para mim!”

Com a ideia de fazer a tentativa, ela tentou conjurar o que pensava, assim como fez acima da névoa cinza. A única diferença era que na névoa cinza precisava da ajuda do Sr. Louco e agora tinha que confiar em si mesma.

Audrey estendeu a mão direita, apontando para baixo, nas profundezas da névoa.

À sua frente, a névoa cinzenta subiu de repente, revelando camadas de escadas que levavam para baixo, sem fim à vista.

Audrey respirou fundo, levantou ligeiramente a saia e pisou no primeiro degrau.

Passo a passo, ela continuou descendo as escadas. O ambiente ficou cada vez mais silencioso, tão silencioso que era quase como se ela ouvisse alucinações auditivas.

Neste lugar não havia mais nada além da névoa cinzenta. Era solitário e cheio de desconhecido.

Um vendaval uivante soprou de diferentes direções, fazendo Audrey balançar para frente e para trás. O medo que ela sentia se aprofundou lentamente.

Antes de perder o controle de suas emoções, seus olhos verdes brilharam com uma luz quente que parecia ser capaz de ver através do coração dos outros.

Audrey usou seus poderes de Psiquiatra para se acalmar!

Ela continuou sua busca. Depois de quase um minuto, um ponto de luz iluminou-se de repente na névoa cinzenta circundante.

Audrey deu uma olhada cautelosa, apenas para ver que o ponto de luz era ela mesma — quando tinha acabado de consumir uma poção e quase se tornou um monstro dragão. Enquanto estava prestes a perder o controle, emoções como preocupação, horror, medo e nervosismo transbordavam claramente dela.

“… Este é o meu subconsciente, então este é o meu trauma?” Audrey entendeu vagamente onde ela estava depois de deixar a terra dos sonhos.

Não tinha pressa em resolver esse trauma enquanto continuava a descer, passo a passo, cheia de expectativa.

De acordo com as teorias dos Alquimistas da Psicologia, o subconsciente estava no fundo do seu destino — o mar do subconsciente coletivo para todas as criaturas vivas!

Durante sua exploração, Audrey mais uma vez se viu ouvindo as histórias de seus pais quando era jovem. Ela se viu, alguém que valorizava sua imagem, mas, no fundo, não era muito elegante. Ela se viu participando do Clube de Tarô, só que todos os pontos de luz relativos a este último estavam firmemente envoltos em uma névoa cinza.

“São coisas do meu subconsciente… Elas influenciam meu caráter e comportamento?” Audrey analisou instintivamente o que viu com seu conhecimento de psicologia.

Em meio aos pontos de luz cintilantes, houve vários momentos em que foi levada à beira de um colapso emocional devido à exploração solitária e sem objetivo, mas ela usou seus poderes de Beyonder para se acalmar a tempo.

Quando estava prestes a perder a noção da passagem do tempo, ela viu o último degrau.

Na frente dos degraus havia um chão sólido, embaçado e cinza. Acima dele, havia fluxos de luz e sombras. Eles eram densos e sobrepostos, como um mar ilusório.

“O mar do subconsciente coletivo…” Audrey deu alguns passos à frente e levantou a cabeça para olhar para cima. Para sua surpresa, a névoa cinzenta não bloqueou mais sua visão quando o céu claro e alto apareceu.

Eram inúmeras silhuetas indescritíveis, sete das quais eram de cores diferentes. Eles eram brilhos brilhantes que pareciam possuir imenso conhecimento.

Audrey franziu os lábios e disse alegremente para si mesma: — O céu da espiritualidade.

Então, ela avançou cautelosamente, forjando a aventura que poderia chamar de sua.

Aquelas figuras de luz que formavam o mar passavam por ela de vez em quando. Algumas continham memórias antigas de serem queimadas pelas chamas, enquanto outras suportavam a dor insuportável de ver algo indescritível…

Além das marcas antigas, Audrey também viu os olhares de admiração lançados sobre ela um após o outro, bem como as atividades das pessoas que adoravam dragões.

Enquanto caminhava, ela notou uma montanha branca acinzentada na extrema esquerda. Estendeu-se para cima até emergir do mar de luz e sombras. O topo da montanha estava envolto em uma densa neblina, fazendo com que todo o lugar parecesse nebuloso.

“Essa é a consciência de outra pessoa? O mar é o subconsciente, e além da superfície do mar está a consciência comum? Sim, ele está sonhando…” Audrey de repente pensou em uma possível ação de um Psiquiatra. Era aproximar-se e subir, afetando diretamente os pensamentos subconscientes da outra parte, permitindo-lhes agir naturalmente de acordo com suas ordens.

“Mas deveria ser muito difícil e muito perigoso…” Audrey desviou o olhar, sem ousar tentar.

Ela lembrou claramente que seu objetivo desta vez era procurar vestígios do dragão da mente e da Cidade dos Milagres, Liveseyd.

Audrey passou pela consciência de mais de cem outras pessoas. Gradualmente, ela se sentiu exausta.

“É hora de voltar.” Instintivamente, ela ergueu a cabeça e olhou para longe, tomando a decisão racionalmente.

Ela ficou ali por um longo tempo, sem vontade de sair.

Uma sombra apareceu de repente no ar quando Audrey estava prestes a se virar.

Era um par de duas enormes asas cinzentas!

Sob as asas, havia um longo monstro parecido com um lagarto.

Todo o seu corpo estava coberto por enormes escamas que pareciam lajes de pedra branco-acinzentadas. Tinha quatro pernas grossas e poderosas, aparentemente banhadas pela luz do sol que não existia, pois tremeluzia no que parecia ser o brilho do sol poente.

O monstro voou. Seus olhos eram dourados claros com as pupilas verticais, parecendo frios e arrogantes.

Sua figura grandiosa e épica desapareceu rapidamente no mar do subconsciente de todos os seres vivos.

“Dragão… Um dragão da mente!” Audrey pulou no local e olhou em volta, com medo de que outros percebessem seu comportamento deselegante.

Ela andava animadamente, sentindo-se muito satisfeita com sua aventura.

“Na verdade, a tradição de adoração do dragão aqui não é sem origem. Em seu subconsciente vive um dragão da mente…” Audrey resistiu à vontade de se elogiar e decidiu retornar imediatamente e acordar do sonho.

Ela não teve vontade de continuar sua exploração, pois não estava preparada para isso. Iria consultar o Sr. Louco, o Sr. Enforcado e os outros no Clube de Tarô na próxima semana, na esperança de receber algum conselho.

Audrey voltou por onde veio, entrando na montanha formada por sua consciência. Então, acordou e escapou com sucesso do sonho.

Naquele momento, Danitz também teve permissão para retornar ao seu quarto.

Ele olhou para Gehrman Sparrow e disse com um sorriso envergonhado: — Você não vai contar a ninguém o que acabou de ver, não é?

  1. aquele item que ela comprou[]
Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥