Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 37/50


Virando o corpo para o lado, Emlyn evitou um bêbado fedorento. Enquanto puxava suas roupas com a testa franzida, ele continuou empurrando em direção ao balcão do bar.

Durante esse processo, ele parecia não estar fazendo nada, mas os clientes ao redor sempre deixavam de tocá-lo. Seja em termos de velocidade, agilidade ou equilíbrio e coordenação, ele atingiu um nível bastante assustador.

Finalmente, Emlyn chegou ao balcão do bar enquanto batia no balcão de madeira.

— Onde está Ian?

O barman olhou para ele. Sem dizer uma palavra, manteve a cabeça baixa e enxugou os copos de vidro.

— … — Emlyn ficou ali surpreso, imaginando se ele havia feito algo errado que não lhe rendeu nada. Isso o irritou um pouco, pois queria estender a mão e estrangular o barman.

No entanto, ele acreditava que tais atos faltavam como cavalheiro. Ele controlou suas emoções com força e olhou em volta e descobriu que todos estavam bebendo.

Pensando bem, Emlyn experimentou dizer: — Um copo de vinho tinto Aurmir.

As ações do barman pararam quando ele olhou para cima e lançou um olhar estranho ao homem bonito, de cabelos pretos e olhos vermelhos.

— Não temos isso disponível.

Este era o melhor vinho tinto do mundo. O preço era impressionante!

Emlyn não era burro e percebeu pelos olhos do barman que ele havia pedido algo que não deveria. Pensando cuidadosamente, ele disse: — Um copo de cerveja do sul.

— 5 centavos. — O barman finalmente baixou a xícara e o pano.

Emlyn pegou uma nota de 1 soli e disse: — Fique com o troco.

— Obrigado. — O barman apontou para a esquerda e disse: — Ian está na sala de jogos 1.

Emlyn sorriu imediatamente, sentindo-se feliz e orgulhoso por ter resolvido um problema real. Ele não pegou o copo de cerveja do sul e, em vez disso, virou-se e foi direto para a sala de jogos 1.

Toc! Toc! Toc! Ele educadamente bateu na porta.

— Por favor, entre. — Uma voz bastante adolescente soou.

Emlyn ajustou o colarinho e abriu a porta, apenas para perceber que a cena lá dentro era diferente do que esperava.

Ele acreditava que por se tratar de uma sala de jogos, haveria um monte de gente ao redor de uma longa mesa, jogando jogos como o Texas, mas para sua surpresa, havia de fato cerca de oito pessoas, mas não havia cartas de pôquer. Um pedaço de papel foi colocado na frente de cada participante, pois eles pareciam estar registrando algo. Além disso, havia apenas canetas-tinteiro e dados na mesa.

Emlyn instintivamente lançou seu olhar para a pessoa mais jovem lá dentro. Da mesma forma, era um menino bonito com olhos vermelhos. Ele parecia ter dezesseis anos.

— Ian? — Emlyn perguntou.

Ian assentiu com um sorriso.

— Esse sou eu. Senhor, há algo em que eu possa ajudá-lo? Ou você deseja entrar no nosso jogo?

— Jogo? — Emlyn voltou com uma pergunta.

Ian riu.

— Sim, jogo. Não gosto de jogar cartas ou bilhar, mas algo precisa ser feito quando passo o dia inteiro aqui. Inspirei-me na biografia do Imperador Roselle. É organizar algumas pessoas para se sentarem e tentarem uma aventura de mesa.

— Neste jogo, desde que cumpra as regras, você pode ser qualquer um: um médico, um aventureiro que adora comer vegetais, um detetive particular que sempre carrega uma chave inglesa e um martelo ou um aventureiro que gosta de ideias radicais. Juntos, eles podem ir a algum castelo antigo e descobrir a história escondida nele, lutando contra todos os tipos de monstros ao longo do caminho.

— Parece um pouco interessante. — Emlyn tinha a sensação de que este jogo combinava bem com ele.

— Haha, você quer participar? No momento, estamos envolvidos em uma trama e enfrentamos um poderoso vampiro antigo. Ele parece ter um rosto bonito, mas sob sua pele há furúnculos formados por seu sangue fervente, — Ian o convidou calorosamente.

“Sanguíneo, Sanguíneo!” A expressão de Emlyn se contraiu indiscernivelmente quando ele disse diretamente: — Tenho uma missão para você.

— Tudo bem… vamos para o quarto ao lado. — Ian pegou seu chapéu redondo e sua velha mochila e se levantou.

A sala de bilhar ao lado não tinha ninguém. O menino fechou a porta com grande familiaridade enquanto examinava a área antes de olhar para Emlyn.

— Senhor, eu não o conheço. Posso saber quem me apresentou a você?

Emlyn ergueu o queixo e sorriu.

— Sherlock Moriarty

Assim que ele disse isso, de repente olhou para a esquerda e para a direita enquanto levantava a mão para apertar o nariz.

— Então é o Detetive Moriarty. — Ian deu um suspiro de alívio sem esconder. — Estou certo então. Aliás, ele não saiu de férias para a Baía de Desi? Quando ele estará de volta?

Emlyn baixou a mão direita e disse sem mudar de expressão: — Ele ainda não voltou. Estive no apartamento alugado dele.

— Para ser franco, as férias normais deveriam ter terminado no final de janeiro. Já é abril.

— Será que algo aconteceu com ele? — Ian perguntou preocupado.

Emlyn relembrou os poderes e o mistério que Sherlock Moriarty apresentou enquanto balançava a cabeça.

— Talvez ele esteja envolvido em um caso complicado.

Ian não falou mais quando perguntou: — Como posso me dirigir a você? Que missão você tem?

— Você pode me chamar de Sr. White. — Emlyn tirou um pedaço de papel que lembrava um aviso de recompensa. — Ajude-me a encontrar essas cinco pessoas.

Ian o recebeu e folheou-o cuidadosamente por um tempo.

— 20 libras por uma pista eficaz; 150 libras para uma localização exata. Isso é aceitável?

— Sem problemas. — Emlyn sentiu que o preço era muito barato.

Comparado a isso, os preços vistos no Clube de Tarô eram bem mais exagerados.

Ian dobrou o pedaço de papel e disse: — Sr. White, como entro em contato com você se tiver alguma pista?

— Ao Sul da Ponte, Igreja da Colheita. — Emlyn já havia pensado na resposta.

Ao ouvir isso, Ian lançou-lhe um olhar estranho.

— Você acredita na Mãe Terra? Isso é raro em Backlund.

— Eu não sou um adorador! — Emlyn balançou a cabeça com firmeza. — Só estou fazendo trabalho voluntário lá.

Sem esperar que Ian falasse, ele perguntou: — Como você herdou esses olhos vermelhos?

Isso era algo que ele queria perguntar quando viu Ian pela primeira vez. Isso acontecia porque os olhos vermelhos eram uma marca registrada dos Sanguíneos nos tempos antigos. No entanto, houve um longo período de tempo em que humanos e sanguíneos copularam na Quarta Época. Todos eram residentes de um Império só; portanto, com a comunhão generalizada, muitos descendentes foram produzidos. Houve um número crescente de mestiços de olhos vermelhos à medida que transmitiam seus genes, tornando-se uma cor de olhos incomum para humanos.

Simplificando, todo ser humano de olhos vermelhos tinha um ancestral sanguíneo.

Ian respondeu surpreso: — Meu pai… não tenho ideia de quão longe está na árvore genealógica, já que eu era um vagabundo.

“Pelo que parece, ele não está ligado aos Sanguíneos…” Emlyn entregou um depósito de vinte libras, sentindo-se um tanto desapontada antes de se virar para sair da sala de bilhar.

Depois que saiu, Ian não voltou imediatamente para a sala de jogos. Em vez disso, fechou a porta e disse para o ar: — O detetive Moriarty não voltou para Backlund. Estou um pouco preocupado com ele.

Uma figura apareceu de repente na sala de bilhar. Ela tinha um rosto pálido com traços requintados enquanto usava um gorro preto. Vestida com um vestido preto gótico, ela não era outra senão a Espectro Sharron.

— Ele está bem, — respondeu Sharron sem qualquer perturbação em seu tom. Sua figura se desmaterializou antes de desaparecer.

— Você sempre diz a mesma coisa. Não me diga que você sempre esteve em contato com o Detetive Moriarty… — Ian murmurou baixinho enquanto pegava um jornal no canto da sala de bilhar.

Nele estava o Notícias de Tussock e, abaixo dele, o Notícias do Mar. Este último foi usado principalmente para relatar a situação das diferentes colônias do Reino de Loen e assuntos no mar, mas devido a restrições tecnológicas, o Notícias do Mar que chegou a Backlund estava severamente desatualizado. Não era de muita utilidade para as pessoas que precisavam dele, então o número de assinaturas era baixo e o negócio estava em dificuldades.

Mais tarde, por sugestão de um novo editor-chefe, o estilo do jornal mudou. Havia mais rumores no mar, bem como todo tipo de assuntos estranhos envolvendo piratas e aventureiros. Pareciam mais histórias do que notícias reais.

Para surpresa das pessoas, esta mudança de estilo foi bem recebida. Porque envolvia fantasmas, espectros, monstros marinhos e tesouros; tornou-se a principal escolha dos semianalfabetos exibir seus conhecimentos aos analfabetos nos diversos bares. Afinal, embora as histórias parecessem falsas, eram suficientemente interessantes.

Ian folheou casualmente os jornais sem encontrar nenhum conteúdo de interesse. Ele só teve uma impressão profunda em uma das reportagens do Notícias do Mar.

“Segundo o nosso correspondente, na noite de 25 de Março, a frota do Rei da Imortalidade atacou um navio que se dirigia de Balam Leste para Feysac e saqueou todos os seus bens e dinheiro. E fazendo jus ao seu título, o Slaugterer Kircheis perpetrou um massacre sangrento…”

“Esses piratas são realmente absurdos…” Ian balançou a cabeça e baixou os jornais. Ele voltou para a sala de jogos e continuou seu jogo.

Do lado de fora do bar, Emlyn embarcou em uma carruagem e encostou-se na parede da carruagem enquanto observava os postes de luz passarem por ele.

Ele apertou o nariz novamente e murmurou silenciosamente: “Um Espectro?”

“Este traficante de armas com certeza é engenhoso… Nada mal!”

Emlyn fechou os olhos enquanto se sentia mais esperançoso com a missão que lhe foi confiada.

A luz do sol brilhava do lado de fora, tingindo de dourado a cabine do capitão.

Edwina estava sentada em uma cadeira com um livro nas mãos enquanto olhava para a frente.

— Então, você também acredita que os Impérios Solomon, Trunsoest e Tudor coexistiram?

— Esta é uma condição necessária para a Guerra dos Quatro Imperadores, — respondeu Klein simplesmente.

Ele segurava um livro intitulado Livro dos Três Mundos. Originou-se de um membro da Escola de Pensamento da Vida antes de cair nas mãos da Contra-Almirante Iceberg. Descreveu o mundo material, o mundo espiritual e o mundo além da racionalidade. Incluía algumas informações sobre amuletos, com partes bastante profundas. Klein estava lendo seriamente informações sobre isso em uma tentativa de usar melhor o Cetro do Deus do Mar e o Verme do Tempo.

Na verdade, Klein descobriu que os livros coletados pela Contra-Almirante Iceberg eram vários textos antigos que eram bastante assistemáticos. Isto era bem diferente das características da Igreja do Deus do Conhecimento e da Sabedoria que a apoiava. Portanto, adivinhou que o conhecimento do misticismo interno, ortodoxo e sistemático da Igreja não era público.

Edwina estava prestes a perguntar novamente quando de repente percebeu que a velocidade do Sonho Dourado diminuía gradualmente. Ela olhou pela janela e depois de alguns segundos, disse secamente: — Chegamos em Bayam.

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥