Selecione o tipo de erro abaixo

Tradutora: Pam pam


Atrás da porta vermelha, havia uma imensa distorção espacial. Vários feixes de luz se entrelaçaram, um tentava se sobrepor ao outro… Era como se duas memórias completamente diferentes estivessem batendo uma contra a outra mas, simultaneamente, estavam se misturando. Parecia até uma TV antiga com o sinal ruim. Havia estática, algumas imagens e depois mais estática…

Ele sentiu uma forte dor de cabeça. Ao seu lado, Pavão começou a se debater. Sua luta ficou mais intensa. Ela estava acordando da hipnose.

 — Espera, você está ouvindo essa música? — interveio Gu Jun que não ouviu nada, mas, já que Pavão gosta tanto de cantar, então deve haver alguma lembrança marcante relacionada a música em sua mente. Isso deve ajudá-la a se guiar em meio ao caos.

 — Sim! E-Eu…consigo ouvir… É uma das minhas músicas favoritas.

 — Sim, você está certa. — continuou com sua hipnose, enquanto usava seu próprio poder mental para ajudá-la. — Pense na época em que relaxava ouvindo essa música.

As luzes e sombras estavam gradualmente se dispersando, e parecia que gradualmente uma canção ressoava entre às duas energias. De repente, um forte flash de luz apareceu e com ele veio uma memória.

Um pequeno carro branco dirigia na rodovia em alta velocidade. A motorista era uma adolescente de 16 ou 17 anos. Ela estava maquiada e usava roupa de marca. Enquanto dirigia, cantava em alto e bom som. A jovem tinha um ar de superioridade, talvez até arrogante.

Aquele rosto… aquela era Pavão, só que mais jovem. 

Gu Jun franziu o cenho. Isso definitivamente não aconteceu na terra dos sonhos e aquela garota não parecia ser um dos viajantes da terra.

Ele podia ouvir claramente Pavão cantando em inglês… We are never ever getting back de Taylor Swift.  Essa música era bastante popular, mas foi lançada há cerca de 8 anos atrás. 

—  Você está indo aonde? —  perguntou enquanto tentava controlar seus batimentos cardíacos.

“Essa lembrança é daquela época? Foi na terra? Toda essa situação não deve ser uma simples mentira, tinha algo por trás disso…”

— A festa de aniversário de Judy… — murmurou em inglês, inglês fluente. Até seu tom de voz havia mudado, era como se fosse uma pessoa completamente diferente. — Tom estará lá também, eu sei que aquele desgraçado vai lá só para me convencer a perdoá-lo. Mas, quero mais é que ele se foda! Eu dei a ele tantas chances. Já chega!

As imagens mudaram. Agora havia uma casa com jardim e piscina, era um lugar bastante barulhento. Muitos adolescentes estavam dançando na batida da música.

Gu Jun franziu ainda mais a testa. Isso não era a China. Não, a China não é assim… Ele viu rostos asiáticos, pessoas de diferentes etnias, brancos e negros. Onde Pavão cresceu? América? Europa?

— Tom está aqui?—  perguntou lentamente. — Qual dessas pessoas é ele?

— Aquele ali… 

Na cena, ela estava animada enquanto conversava com um grupo de garotas. Um cara se aproxima dela. Pavão o encara e fica atordoada, então começa a falar na língua dos viajantes de mundos.

— Malaquita, onde estamos?

Gu Jun podia ver claramente, aquele garoto “Tom” era Malaquita, um Malaquita adolescente…

A imagem começou a ficar borrada como se fosse desaparecer a qualquer momento, Pavão colocou as mãos sobre a cabeça e gritou de dor:

— Que lugar é esse? Quem são essas pessoas?… Nosso povo está esperando por nós. Temos que voltar com os Manuscritos Pnakóticos, não podemos deixar os ossarianos saírem impunes e…

As meninas suspiraram chocadas.

— Kate… Kate? Kathlyn, você tá bem?

O coração de Gu Jun acelerou.

—  Espera, eles podem ouvi-la? Isso é uma memória real, ou uma distorção?

Enquanto isso, o semblante do jovem mudou, ele desmoronou no chão com as mãos pressionadas contra a cabeça. Metade da frase foi dita em inglês, mas a outra parte foi na língua dos viajantes da terra:

— Ah… Não, Pavão! T-talvez estejamos… presos em uma alucinação…

— O que tem de errado com vocês?

— Algo não está certo, eles beberam demais? 

— Liguem pro 000!

“O número de emergência desse país é 000? Certo, é a Austrália…”

Ele foi lá uma vez, na época estava procurando um tratamento para seu tumor. Então, essa memória de Pavão/Kathlyn se passa na Austrália.

A hipnose estava prestes a desmoronar… ele precisava estabilizar sua outra identidade rapidamente. Então, disse:

— Kathlyn, Kathlyn! Você ouviu isso? Há outra música tocando, uma que você já ouviu antes. Kathlyn, qual é o nome dessa música? Diga-me.

— Música? — murmurou Pavão. A luta era clara em seu rosto enquanto, outra consciência estava lutando pelo controle. — Sim, é uma canção para louvar o herói Phecda…

 Gu Jun interrompendo-a e deu-lhe uma sugestão direta.

— Não é essa música. É uma em inglês. Ouça, é aquela que você estava cantando antes, é a mesma canção.

Ele não fazia ideia do que iria acontecer a seguir. Como Pavão e Malaquita foram parar nas terras Oníricas? Como eles chegaram aqui? Para qual organização os dois trabalham?

Pavão voltou a falar em inglês, e com a voz mudando disse:

— Aquela música… Sim, eu posso ouvi-la agora…

Gu Jun usou seu poder mental para estabilizar a cena, mas era como tentar controlar uma tempestade. O ambiente estava mudando e uma nova memória estava surgindo. 

Um extenso deserto amarelo, parecido com onde eles estavam agora, mas havia casas de pedra, lagos limpos e estátuas altas… De repente, o rosto de uma garota bonita passou, ela estava segurando um cachorrinho de porcelana, olhando para ele com curiosidade.

“Essa é a… é a Cidade das Centelhas? Ela realmente existe…”

Mas de repente, a cena mudou novamente. Ainda era a mesma geografia de antes, mas havia alguns arbustos e árvores de pequeno porte. Ele podia ver algumas casas modernas, uma estrada e uma placa marrom ao lado…

 Bem-vindo a Geikie — 

Caminho para Windjana

DISTÂNCIA  –  155 Km

— Hmm… 

Gu Jun estava prestes a ter uma visão melhor do lugar quando o cenário mudou novamente. 

As casas, a rodovia e os postes elétricos desapareceram. No deserto sem fim, havia 5 jovens andando pela areia. Pavão, Malaquita e outras três pessoas que ele tinha visto uma vez em Dylath-Leen. O grupo parecia ter a mesma idade e fisionomia de agora.

Os cinco avançaram em transe, como se fossem máquinas sem emoções. Estavam indo em direção a um aglomerado de grandes rochas, três delas estavam dispostas lado a lado, de uma para outra havia uma pequena abertura que emitia um brilho estranho.

— Aquilo é… 

Ele viu o grupo atravessar a fresta, um por um, suas silhuetas desapareciam em meio a luz. O último a atravessar foi Pavão. Após andar em direção a luz, o cenário mudou drasticamente.

— Ah! 

Os olhos da garota se abriram. Seu seu rosto tinha uma expressão de agonia. Um grito em meio a dor. Gu Jun foi forçado a sair do seu subconsciente. Ele respirou fundo e rapidamente ordenou:

— Pavão, acorda! Pavão… Acorda. Já acabamos, acorda!

Ambos ainda estavam na “Cidade das Centelhas”. Malaquita que estava bem atrás deles, parecia não ter notado nada. Ela segurou sua cabeça como se estivesse sofrendo de uma forte dor de cabeça. Os Zoogs se entreolharam chocados.

— Acorde. — ordenou mais uma vez, mas não funcionou. Pavão se encolheu e estremeceu.

Andando até os Zoogs, Gu Jun perguntou: 

— Onde está o canal que vocês mencionaram?!

O velho Zoog disse que estava nesse deserto mas, não tinha como saber a localização exata. Segundo ele, os Zoogs teriam que estar próximos da região do canal para conseguir fareja-lo. O ancião deu tapinhas na barriga e disse:

— Ham-ham! Na verdade, não é tão longe daqui, chegaremos lá em 500 passos.

Seu coração afundou. Ele olhou para Pavão que estava se contorcendo de dor, em seguida, virou-se para Malaquita que estava perguntando aos Zoogs com quem eles estavam falando.

Gu Jun via-se preso em uma situação extremamente caótica…

O grupo de Pavão, essas cinco pessoas, não vieram do futuro, mas vieram do presente.

Eles entraram nas Terras Oníricas através de um canal conectado com algum deserto da Austrália. Assim que chegaram à cidade das centelhas, o grupo se dirigiu imediatamente a Ulthar, em busca dos manuscritos Pnakóticos, e acabaram encontrando o homem pesadelo em Dylath-Leen.

Ao que tudo indica, algo ou alguém tinha o controle dos corpos daquelas pessoas e está por trás de tudo.

Olá, eu sou o Urso!

Olá, eu sou o Urso!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥