Selecione o tipo de erro abaixo

O Lendário mosqueteiro confunde a todos!

— Porque mosqueteiros mirins, como vocês, estão caminhando em Fosigua, como se fosse o Éden!? — grita o lutador aos dois soldados, e logo depois, aponta para os yetis — Era para eles terem me encontrado, não vocês!

— … Do que ele está falando? — sussurra em uníssono os mosqueteiros feridos, ainda sem entenderem.

Então os yetis finalmente assimilaram a presença do kyapen.

— Olha, é o intrometido, irmão! Veio para ser devorado também.

— Como ele apareceu tão rápido…

Renāto vira para os yetis, com cara de decepcionado.

— Não se mexam e fiquem calados. Eu volto em um instante.

Então ele se levanta, fazendo um breve alongamento.

— Me desculpem pelo imprevisto, senhores. Esses jovens irresponsáveis não irão lhes incomodar mais. Eu tinha toda uma estratégia para usar em vocês, mas pelo visto vou ter que improvisar.

— Está zombando de nós, bem-vestido? Não vamos te perder de vista, dessa vez.

— Prepare-se para virar patê!

Os yetis partem em direção à Renāto, carregando suas clavas de osso nas mãos. Eles aplicam com um golpe sincronizado de cima para baixo em Renāto. Porém, o mosqueteiro intercepta os ossos, cada um com uma mão diferente, como se aquelas clavas gigantes não fossem nada. Enquanto faz isso, o kyapen resmunga consigo mesmo.

— Não era para ser assim. O que faço agora? Bem, aquele jab mágico ainda não está pronto. O rasteiro precisa de energização do azul puro. A agulha vou usar no torneio… Ah, já sei!

Então de repente, uma aura que emana um forte vapor, no qual metade é vermelho e metade é azul, começa a fluir do corpo de Renāto. Ele fecha seus olhos como sinal de concentração e o nervosismo de antes, se transforma em calma. Os yetis continuam a forçar suas clavas nele, mas sem sucesso.

— Olha, guri! Tem algo acontecendo com Renāto! — Exclama Lup.

Telly começa a encarar o lutador de forma contemplativa, e ele logo assimila o que está acontecendo com o kyapen.

— Então essa é a verdadeira Dentō…

[Dentō: A Nejireta da tradição. Está presente em todos os moradores de Araukaria, mas poucos a dominam por completo.]

Enquanto os mosqueteiros observavam a grandeza da Dentō, Renāto concentra a aura de seus punhos nas bases dos ossos, perfurando cada osso e os prendendo em suas mãos. Ele puxa os ossos das mãos dos Yetis e pega impulso para trás, preparando um ataque.

— Não estou entendendo nada, Irmão! Como ele fez isso?

— Esse Azulzinho é diferente dos outros bem-vestidos. Hora de usar o bafo gélido!

Então, os dois yetis abrem suas bocas e soltam uma rajada de gelo em direção ao mosqueteiro. Renāto usa os ossos como se fossem pernas de pau e os ossos absorvem todo gelo, como se a magia que emana neles atraísse todo o poder elemental.

— Belas clavas, senhores — ironiza Renāto, de cabeça pra baixo e apoiado nos ossos — Minha vez de usá-las!

O mosqueteiro pega impulso e é lançado para o ar, como se estivesse em uma competição de salto com vara, em direção aos gigantes. No ar, ele posiciona os ossos na vertical e aplica um golpe duplo na lateral da cabeça dos dois yetis, soltando toda a energia acumulada nas clavas. Os yetis se colidem e caem desmaiados com o poderoso golpe.

Os olhos dos dois jovens mosqueteiros, brilham ao ver o que Renāto acabara de fazer.

— Não esperava menos de um mosqueteiro lendário, guri!

— Impressionante… Faz tempo que não o vejo lutando dessa forma. Na verdade, acho que nunca o vi lutando dessa forma.

Renāto retira os ossos dos punhos e os articula, como se estivesse checando se está tudo bem com eles.

— A Dentō não precisa ser usada somente para atingir alguém diretamente — ressalta Renāto aos dois — Golpes assim são bem previsíveis. Ela também serve para usar a força de seu oponente, contra ele mesmo. Guarde essa lição com vocês.

— Obrigado por nos salvar, mestre.

— Acho que se não fosse o senhor…

— Podem me agradecer depois — diz o kyapen, olhando para os yetis caídos — Agora, se não se importam, quero que cada um de vocês arraste um yeti e siga-me.

Quem sabe assim não melhorem sua Dentō.

Lup e Telly se olham, ainda feridos pelo impacto causado pelos gigantes. Eles se levantam com muito esforço, cambaleando e apoiando um no outro.

— Mas senhor — balbucia Lup — Acho que não estamos em condições de…

Então, de repente, ele e Telly desmaiam. Renāto suspira, coloca os dois por debaixo dos braços, e segue uma trilha desenhada.

— Droga. Logo hoje que eu queria uma carne de yeti fresca. Espero que dê para voltar e salvar alguma coisa ainda.

Se afastando do local, é observado no fundo, os yetis ainda caídos, e os ossos gigantes com um buraco na ponta, saindo um vapor bicolor nos buracos em que Renāto encaixou seus punhos.

A verdadeira força de um mosqueteiro!

Olá, eu sou o Silas Santos!

Olá, eu sou o Silas Santos!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥