TLM – Capítulo 14

  • Asu 
Capítulo Anterior
Próximo Capítulo

⇐ Capítulo Anterior | Índice | Próximo Capítulo ⇒


Capítulo 14: A Antiga Era e a Nova

Tradutor: Asu | Editor: Asu

Como Han Xiao precisava desesperadamente de comida e água, ele cedeu à demanda do comerciante.

Suspirando, ele alinhou 150 balas na traseira do caminhão.

De repente, o homem de barba grande acenou com um dedo.

“180.”

Han Xiao olhou para ele.

Ohoho! Tais olhos assustadores. Você quer me matar ou algo assim? Rapidamente, gente, venham aqui! Este homem quer me matar!”

Dezenas de andarilhos se reuniram em um instante. Alguns deles até vieram com paus e tacos.

“Este é o nosso território. Você está tentando ser um garoto engraçado?”

“Ok, tudo bem. 180 balas. Foda-se.”

Han Xiao apressadamente jogou mais balas no caso de ele elevar o preço ainda mais.

O comerciante riu astutamente e mandou alguém buscar as mercadorias.

Depois de confirmar os itens, Han Xiao levantou o dedo do meio para o comerciante antes de se virar.

De repente, o comerciante falou.

“Ei, você está planejando sair da floresta?”

“Por que, você tem um problema com isso?”

“Eu tenho uma picape velha. Quer?” Perguntou o comerciante barbudo educadamente.

“Não é como se eu pudesse pagar o seu preço.” Han Xiao atirou de volta.

“Oh, eu acho que você pode”, disse o comerciante, apontando para a bolsa de Han Xiao. “Você tem tantas balas. Você deve ter muitas armas também.”.

A mala de Han Xiao estava de fato cheia de armas ― aquelas de alta qualidade. Ele havia saqueado do Esquadrão da Coruja Noturna. Ele ainda tinha o rifle de precisão e alguns coletes Kevlar. Ele poderia facilmente pagar uma picape velha.

No entanto, Han Xiao balançou a cabeça.

Um carro deixaria uma trilha. Han Xiao preferia não competir com um helicóptero. Andar era mais seguro.

Além disso, se os agentes da Organização Germinal descobrissem suas armas aqui, seria desastroso não só para Han Xiao, mas também para os andarilhos daqui. Em certo sentido, seria desonesto da parte dele vendê-las.

Embora Han Xiao tenha recentemente matado um grande número de pessoas, não foi por perversão. Foi para sobreviver.

O comerciante, no entanto, não era uma pessoa facilmente dissuadida.

Ele estava prestes a falar de novo quando, de repente, a voz de um homem explodiu. “Kai Luo! Você está se aproveitando de estranhos de novo!”.

Um homem bem-vestido com roupas de caçador remendada com peles de animais apareceu atrás da multidão. Enquanto ele caminhava para o centro da multidão, todos se mexeram para abrir caminho para ele. O homem parecia ser respeitado.

O grande comerciante barbudo gemeu.

“Hu Xuan Jun, eu acabei de fechar um negócio meticulosamente. Não venha interferir!”

Hu Xuan Jun pegou as balas no caminhão e as empurrou de volta para Han Xiao.

“As coisas que você quer realmente não valem muito. Trate isso como um presente. Aqui, leve isso de volta.”

Han Xiao ficou chocado com o cavalheirismo do homem e olhou para ele, incrédulo. O homem era um mongol extremamente musculoso, com cabelos brancos nas laterais da cabeça, e seus olhos eram tão afiados quanto os de uma águia. Ele parecia muito a parte de um homem justo, e Han Xiao imediatamente sentiu uma proximidade maior com ele.

“Ei, e eu?” Interrompeu Kai Luo.

“Não é só comida? Vou te dar mais amanhã”, Respondeu Hu Xuan Jun casualmente.

Kai Luo estava frustrado. Não era todo dia que um estrangeiro aparecia para fazer um dinheirinho rápido.

“Aquele que vem de longe é um convidado. Você parece muito frágil para viajar sozinho. Por que não se recuperar na minha casa?”

Han Xiao hesitou. Ele realmente precisava de um lugar adequado para se recuperar. Em todo caso, Hu Xuan Jun lhe dera uma ótima primeira impressão, então ele assentiu.

Quando Han Xiao seguiu Hu Xuan Jun, a multidão se dispersou. Kai Luo fumegou, mas não havia nada que ele pudesse fazer. Ele não se atreveu a ofender Hu Xuan Jun.

Hu Xuan Jun levou Han Xiao para sua tenda. Ao entrar na tenda, ele gritou: “An, temos um convidado hoje. Cozinhe mais”.

“OK!” respondeu a voz de uma mulher.

Han Xiao seguiu atrás de Hu Xuan Jun até a tenda. An era uma mulher que parecia bastante comum e usava uma simples saia de cintura. Han Xiao notou que ela era cega.

“Esta é minha esposa”, apresentou Hu Xuan Jun com um sorriso.

“Prazer em conhecê-lo”, cumprimentou An enquanto ela encarava a entrada. Ela então se virou para pegar louça, carne seca e legumes silvestres e os colocou dentro de um simples forno de barro no centro da tenda.

Han Xiao e Hu Xuan Jun sentaram-se e conversaram.

Depois de um tempo, Han Xiao teve certeza de que Hu Xuan Jun não tinha segundas intenções; ele era simplesmente uma pessoa extremamente legal.

“Eu notei anteriormente que a maioria das pessoas na sua comunidade é branca. Como você terminou com elas?” perguntou Han Xiao.

Havia quatro raças de humanos em Aquamarine: negro, branco, amarelo e shanu[1].

“Não havia nenhuma razão especial para isso. Aconteceu de ser uma época caótica. Conheci alguns viajantes por acaso e decidi ficar com eles, pois An estava doente na época. Apesar de virmos de países diferentes e de diferentes raças, somos todos remanescentes da era antiga, e todos experimentamos a perda de nossos países. Não há necessidade de distinção. Afinal, somos todos humanos. ”

Alguns dos que perderam seus países decidiram se juntar às Seis Nações. Outros optaram por se juntar à Organização Germinal. O resto só poderia se tornar andarilho. Os andarilhos compunham um terço da população do planeta.

A Aquamarine costumava ter mais de cem nações, mas tudo isso mudou quando uma civilização avançada entrou em contato com o planeta. A ideia de avançar a humanidade e sair para o espaço provocou um movimento de sustentabilidade, e a ideia de países unificadores ganhou alguma popularidade. Embora fosse de fato forçado pensar que isso sozinho poderia mudar a superfície de todo o planeta, havia pessoas no poder que apoiaram a ideia e conspiraram nos bastidores para que isso acontecesse. Para encurtar a história, depois de inúmeras guerras, negociações e todos os tipos de esforços pacíficos e não pacíficos, todos os países foram unidos nas Seis Nações no espaço de algumas décadas.

Muitas coisas que as pessoas já pensaram ser insubstituíveis foram simplesmente empurradas para o lado pelas incontroláveis ​​marés de mudança, e muitas vidas foram sacrificadas no processo.

Tal é civilização. As pessoas são como os sedimentos no rio, destinados a seguir o fluxo.

Embora manter o status quo[2] seja sempre fácil, a revolução sempre vem com dor e sofrimento. Quando se compara o ganho individual com a melhoria social, é natural que as pessoas favoreçam o primeiro. Pessoas realmente desinteressadas são criaturas raras, senão a falta de egoísmo não seria vista como uma virtude. Declarações como “veja, ainda há pessoas boas no mundo” ficam tristes em ouvir.

No entanto, a mudança veio cedo demais para a Aquamarine.

“A Batalha de Andrea foi o prego no caixão. Às vezes, eu penso sobre a forma como nós tomamos nossas vidas como garantidas. Eu sinto falta de como a vida era pacífica naquela época. Quem teria pensado que a mudança poderia vir tão de repente? Quero dizer, mesmo se os recursos do planeta acabarem, isso não aconteceria daqui a algumas centenas de anos? Por que precisamos responder por algo assim?” Lamentou Hu Xuan Jun.

Han Xiao suspirou empaticamente.


⇐ Capítulo Anterior | Índice | Próximo Capítulo ⇒


Nota:

[1] Amarelo se refere a asiáticos, shanu eu não tenho certeza, mas pode ser a civilização avançada citada abaixo.

[2] Status quo é uma locução latina que significa “o estado das coisas”.

A expressão foi usada inicialmente na linguagem diplomática, como uma forma reduzida da expressão in statu quo res erant ante bellum (“no estado em que as coisas estavam antes da guerra”) ou in status quo ante bellum (“no estado das coisas antes da guerra”). Posteriormente, a expressão passou a ser empregada para designar o estado atual de algo ou a situação em que algo se encontra, como em “manter o statu quo”, “defender o statu quo”, “mudar o statu quo” ou “considerando o statu quo”.

Capítulo Anterior
Próximo Capítulo