Selecione o tipo de erro abaixo

A carruagem de Lombardi, carregando meu avô e eu, correu rapidamente em direção ao Palácio Imperial.

Ouvindo a notícia de que o imperador estava em estado crítico, embora já estivesse a caminho, meu avô não pareceu tão impaciente.

— Tem sido um longo dia.

Tive tempo suficiente para me confortar quando estava cansada.

— Eu sei, realmente.

Eu respondi com um encolher de ombros, como se não pudesse evitar.

— Mas você não perguntou por que estou levando você comigo.

— Achei que você devia ter algo para me mostrar.

— Sim, você está certa.

O avô sorriu e acenou com a cabeça. E ele me perguntou com uma voz sutil.

— Que tipo de relacionamento você acha que o Imperador Durelli e Lombardi tem, Flore?

— Não é algum tipo de parceiro?

— Parceiro?

— Sim, desde o estabelecimento do Império Lambrew, as duas famílias moveram-se juntas. E ainda têm muitos relacionamentos, gostemos ou não.

A resposta vem de como os imperadores trataram Lombardi por gerações.

Mesmo que odiassem e não pudessem tolerar a existência de Lombardi.

Nenhum imperador tentou destruir Lombardi.

Eles apenas tentaram pressionar a bandeira da casa.

— Você tem assistido bem.

Meu avô sorriu satisfatoriamente com a minha resposta.

— E quando o imperador morre, Lombardi vai ao palácio por um motivo. Para confirmar a morte do imperador com os próprios olhos.

Isso é um pouco inesperado.

Eu tirei minhas costas do encosto da carruagem e perguntei:

— Por que confirmamos a morte?

— A família Durelli foi colocada sob custódia de Lombardi, além dos bens que foram atribuídos à Coroa.

— É como um fundo de caixa aberta.

— Sim, apenas o Imperador sabe e pode usar a propriedade. E quando o Imperador morre, a propriedade do dinheiro é temporariamente transferida para o Patriarca de Lombardi.

— Oh, então…

É uma confiança tremenda.

Não posso acreditar que o dinheiro que o Imperador tem coletado ao longo dos anos será entregue ao chefe de família de Lombardi.

— E Lombardi deve anunciar a existência do ativo e entregá-lo novamente quando a pessoa legítima herdar o trono depois do Grande Imperador.

— O legítimo…

O peso da palavra era considerável.

Enquanto eu pensava calmamente sobre a palavra, meu avô explicou.

— Por enquanto, estou me referindo ao Príncipe Herdeiro com o consentimento dos representantes de cada região, especialmente Lombardi. Claro que houve exceções.

Meu avô, que disse isso, deu um breve suspiro, mesclado de insatisfação.

— Tem sido uma dor no pescoço.

O som do meu avô esfregando o queixo barbudo se espalhou pela carruagem.

— Você quer dizer o fato de que não existe uma ‘pessoa legítima’ atualmente, certo?

— Certo. Yovanes geralmente nem quer falar sobre sucessão, então ninguém pode adivinhar o que está acontecendo dentro da cabeça dele.

— Então, se o imperador estiver realmente morto.

Eu perguntei, segurando o desejo de xingar.

— Então a autoridade para decidir quem terá sucessão…

— É com a Imperatriz.

Droga.

Depois de todos os problemas, consegui transformar o representante do Oeste de Angenas em Brown.

Você está me dizendo que ela tem autoridade para decidir quem será o sucessor desta vez!

— Como você pôde cair em um momento como este. Yovanes, seu idiota.

O avô disse estalando a língua.

— A propósito, vovô.

— O que foi, Flore?

— Por que você não está surpreso?

O avô inclinou a cabeça.

Minha própria pergunta parecia incompreensível.

— Quando recebeu a notícia de que Vossa Majestade estava em estado crítico. Não ficou surpreso.

Meu avô simplesmente informou sua família sobre o conteúdo da carta e se levantou.

— Vossa Majestade sempre foi saudável. Mas a mensagem de que ele é crítico é muito repentina.

— Hum.

O avô pareceu estar perdido em pensamentos por um momento.

E depois de um breve silêncio, uma voz baixa me chamou.

— Flore.

— Sim, vovô.

— Quando cheguei a essa idade, percebi uma coisa.

— O que?

— Que é verdade como ‘as pessoas colhem o que plantam’.

Eu também concordei.

Se você faz algo bom, é recompensado; se você fizer algo ruim, será punido.

Todos ouviram isso quando estavam crescendo.

— Yovanes envenenou seu pai, o Imperador anterior.

— Envenenou?

Hoje estou aprendendo muitas coisas que não sabia.

Eu estava um pouco surpresa.

A morte do imperador é muito confidencial.

As pessoas comuns nem sabem como é a saúde do imperador.

Então, um dia, você ouvirá de repente o obituário do imperador.

— Yovanes, que envenenou seu pai, sabia que esse dia chegaria.

— Mas quando você diz: ‘Você colhe o que planta’, o vovô pensa que alguém envenenou Sua Majestade?

— … Eu disse para ele ter cuidado com o que come e bebe.

Em vez de responder, o vovô estalou a língua e murmurou.

E então ele olhou para mim.

— Entre o Segundo Príncipe e a Imperatriz. Quem você acha, Flore?

Os olhos castanhos do meu avô brilharam friamente ao luar de fora.

Ao mesmo tempo, era uma sensação que minha mente, um pouco confusa, estava calmamente organizada.

— Você está dizendo que essa é a única coisa com que nós, Lombardi, temos que nos preocupar, certo?

O avô sorriu.

Olhei para ele por um momento e depois olhei pela janela.

Parecia que meu avô não esperava uma resposta imediata de mim.

Lembrei-me de alguns dias atrás em uma carruagem voltando para Lombardi depois de passar Velsac para Seral.

— Estella me disse para entregar.

Eu estendi uma pequena caixa para Perez.

— Uma garrafa de veneno da aranha Titi e uma garrafa de antídoto que você pediu.

— Obrigado.

Perez respondeu, fechando a tampa da caixa novamente.

— Vou usá-lo bem.

Não perguntei a Perez como ele iria usá-lo.

Perez também não me explicou.

Eu estava perdido em pensamentos como meu avô.

Perez e ou a Imperatriz.

Qual deles envenenou Yovanes?

— Chegamos ao palácio imperial.

Com a voz do cocheiro, eu e meu avô acordamos de nossos pensamentos.

E fora da porta da carruagem, franzimos a testa ao mesmo tempo.

— Parece que aconteceu alguma coisa no palácio imperial, vovô?

Os arredores do palácio imperial estavam desordenados.

Havia soldados movendo-se em grupos e os cavaleiros imperiais estavam correndo para o palácio imperial.

— … Vamos para o quarto do Yovanes.

O avô se apressou e me contou. Assim que entramos no corredor onde ficava o quarto do imperador, pude ver de relance o que estava acontecendo.

— Saia da frente, Segundo Príncipe!

O discurso da Imperatriz ecoou pelo corredor cheio de Cavaleiros.

— Vale a pena ver.

O avô falou em voz baixa.

— Não é comum ficar na frente do quarto do imperador com cavaleiros e suas espadas enfileiradas.

A Imperatriz e Perez se entreolharam.


— O que você acabou de dizer?

A Imperatriz perguntou ao médico do palácio com a voz trêmula.

— Sua Majestade… você disse que ele superou a crise?

— Sim está certo.

Então, a porta do quarto bem fechada se abriu e Perez apareceu.

— Segundo Príncipe?

— … parece que a notícia já foi entregue ao Palácio da Imperatriz.

Havia um sinal de desaprovação na maneira de Perez dizer isso.

— … então o Príncipe já estava aqui?

— Eu encontrei o imperador caído.

Perez disse com uma voz calma.

— Como…

A Imperatriz Lavigne estava apenas abrindo a boca para descobrir a situação.

Mais uma vez, a porta do quarto se abriu e os soldados levaram uma pessoa para fora.

Era a empregada Otua.

— Eles vão levar você para o Edifício dos Cavaleiros… Não deixe ninguém se aproximar dela até eu chegar.

— Sim, Sua Alteza.

A empregada Otua, que teve seus braços agarrados e meio arrastados pelos soldados, olhou para a Imperatriz.

Sua coisa estúpida!

A Imperatriz mordeu os lábios.

A empregada Otua deve ter feito papel de boba.

O veneno da aranha Titi era um veneno mortal que poucas pessoas conheciam, e os sintomas eram semelhantes aos de uma doença súbita normal, então havia pouco risco de contraí-lo.

Mas algo estava estranho.

Ela pensou que seria arrastada imediatamente, mas Perez estava apenas olhando para a Imperatriz Lavigne.

No momento em que ela percebeu isso, a Imperatriz riu sem saber.

Não há provas!

E houve mais uma iluminação semelhante a um raio.

— Saia, Príncipe.

Perez estava vigiado pela porta do quarto.

— Eu mesmo tenho que verificar a condição de Vossa Majestade.

A Imperatriz disse, cerrando o punho com alegria.

— … você não pode.

O imperador está morto!

O Segundo Príncipe agora está tentando esconder de alguma forma a morte do Imperador!

— Eu sou a Imperatriz deste Império!

A empregada Otua foi arrastada para longe, mas não abriu a boca com muita facilidade.

Enquanto a família terrivelmente atenciosa estivesse nas mãos de Angenas, a empregada Otua não poderia trair a Imperatriz.

Então a voz de Lavigne ficou cada vez mais alta.

— Vossa Majestade está são e salvo. É a ordem de Sua Majestade que não deixe ninguém entrar.

— Ha!

Do que você está falando?

Não há como um imperador morto falar!

A Imperatriz bufou inconscientemente.

— Sua Majestade está descansando agora.

— Eu tenho o direito de ver como ele está!

Eventualmente, uma alta voz gritando estremeceu através do corredor vazio.

Perez, que estava olhando para Lavigne, perguntou.

— Por que você está fazendo isso?

— …?

— Vossa Majestade, que não está bem, diz que não vai encontrar ninguém, então por que você está sendo tão enérgica?

— Energética…!

— Você não está acreditando em minhas palavras de que Vossa Majestade está bem, ou está convencida de que isso não será possível?

Os olhos vermelhos de Perez olharam friamente para a Imperatriz.

— Eu acho que é o último, eu me pergunto o porquê.

— … saia do caminho.

Em vez de responder ao príncipe, a imperatriz deu um passo à frente.

— Não.

Perez deu um passo para o lado e bloqueou a Imperatriz.

— Dê um passo para trás.

No momento em que ele agarrou a Imperatriz pelo ombro.

— Você ousa me tocar com a mão suja!

Tapa!

A Imperatriz deu um tapa na bochecha de Perez.

— Você acha que vou recuar porque você está me bloqueando?

A Imperatriz disse isso e chamou seu assistente.

— Vá em frente e diga a eles!

Depois de hesitar um pouco a pedido da Imperatriz, o servo correu rapidamente pelo corredor.

E depois de um tempo.

— Saia do caminho, Alteza!

— Como você ousa desobedecer à Imperatriz, acorde!

Os cavaleiros imperiais, cada um atendendo ao chamado da Imperatriz e Perez, rugiram um para o outro.

Aqueles que foram contatados tardiamente juntaram suas respectivas forças, e o corredor do quarto foi gradualmente preenchido, sem tempo para pisar.

— Que vergonha como um cavaleiro imperial!

— Quem vai dizer quem!

A tensão fluía entre os cavaleiros, que haviam sido divididos em duas forças, como se fossem desembainhar uma espada a qualquer momento.

— Saia da frente, Segundo Príncipe!

A Imperatriz gritou mais uma vez.

Havia um pequeno sorriso em seu rosto.

Apesar de tanto alvoroço, não houve reação no quarto.

Isso nunca poderia ter acontecido se o imperador estivesse vivo.

A Imperatriz estava convencida da vitória.

O poder absoluto do imperador estava bem na frente de seus olhos.

Foi então.

— O que você está fazendo agora!

Com um rugido alto, os Cavaleiros se dividiram como água.

— Imperatriz! Príncipe! Vocês dois parem neste instante!

No final do corredor, Rulak Lombardi, com as mãos atrás dele, estava com olhos raivosos.

Picture of Olá, eu sou o Babi.Bia!

Olá, eu sou o Babi.Bia!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥